quinta-feira, 3 de novembro de 2016

CINE CLUBE DOMINGOS MARIA PEÇAS - Agora com textos de Egas Branco

Estes textos são uma mera justificação de gosto, dirigida em primeiro lugar aos amigos, e não são crítica de cinema, muito menos de teatro ou arte em geral... apenas representam o meu gosto em relação à obra em causa, e nunca uma apreciação global da sua qualidade, para a qual não me sinto com competência, além da subjectividade inerente.

                                    ALEXANDRA LENCASTRE E O CINEMA
Alexandra Lencastre, cujos desempenhos, no teatro, no cinema e na televisão, muitas vezes nos tocaram profundamente pela sua rara qualidade. Por isso gostámos muito de a ver, com o seu eterno ar jovem, de quem não se leva muito a sério.
 Só gostava de lembrar, entre as suas muitas participações no cinema, algumas pela mão de grandes realizadores, as três magníficas obras que protagonizou. 


Em "O Delfim" (2002), de Fernando Lopes, que embora seja uma obra na minha opinião relativamente falhada em relação à obra-prima literária do José Cardoso Pires, atingiu na representação, de Alexandra e seus companheiros de elenco, um grande fulgor.




 Em "A Mulher que Acreditava ser Presidente dos EUA" (2003), uma jóia de humor sarcástico na filmografia de João Botelho. O tema obviamente valeu-lhe ser desancado pela crítica neoliberal, caninamente subserviente em relação ao patrão (deles) norte-americano. Alexandra foi admirável no papel principal.
 Em "Lá Fora" (2004), de Fernando Lopes, que foi lamentavelmente menosprezado pelo mesmo sector da crítica, a qual infelizmente é dominante, mas é em minha opinião uma das grandes obras daquele notabilíssimo cineasta. A interpretação, uma vez mais de Alexandra e de quase todos os participantes, é magnífica.
 Alexandra participou também no elenco daquele que é, para mim, um dos grandes filmes portugueses de sempre, "Os Mutantes", de Teresa Villaverde.
 No Teatro, relembrar principalmente os desempenhos em obras famosas de Tennessee Williams e Tcheckov, onde foi extraordinária.

E tem ainda uma carreira à frente!
                                     X X X 
DIVULGAÇÃO

O Museu do Cinema irá receber nos dias 4 e 5, um encontro entre os filmes de família da coleção do Arquivo Municipal de Lisboa | Videoteca, do Arquivo Nacional de Imagens em Movimento (ANIM) e do Home Movies – Archivio Nazionale del Film di Famiglia (Bolonha), um dos primeiros (e ainda um dos poucos) a dedicar-se exclusivamente ao trabalho com filmes amadores e de família.

8 comentários:

Anónimo disse...

Excelente actriz e excelentes considerandos!
Cumprimentos.

Anónimo disse...

Ainda por cá a vi umas vezes de passeio com um artista da terra, pelo que se viu ainda houve por ali qualquer coisa, isto nos anos 80/90, eram muito jovens. Também gosto da dita como actriz e é uma Senhora muito elegante.

Anónimo disse...

E quem foi o Artista da Terra, se é o que eu penso também conhece ao que parece o dito toda a gente, não será de mais?
Perguntar não ofende.

Anónimo disse...


Caro Sr. Francisco, retirou o meu comentário porquê???
Não digo mentira nenhuma, aqui vai um link para visualizar e veja lá com quem o Zé Carvalho está a cantar, e que bem que estão os dois, bonitos, novos.

https://www.youtube.com/watch?v=3vRLnkLCsYY

Francisco Tata disse...

Como pode verificar caro comentador o comentário já está reposto. Agora resta-me justificar o motivo pelo qual foi retirado e voltado a ser colocado.
Diz o comentador: « ainda por cá a vi umas vezes de passeio com um artista da terra»......
Ora artista da terra com projecção só conheço o Zé Carvalho (portanto era fácil adivinhar de quem se tratava. Temos que, é muito diferente «ainda por cá a vi», do que vê-la a actuar na TV num vídeo exercendo a sua actividade profissional. "Por cá" supõe-se que seria na localidade onde reside "de passeio" não é propriamento o mesmo que estar a desempenhar o seu ofício.
Daí que poderia dar azo (como aliás deu) a interpertações dúbias que poderiam acarretar consequencias na vida paticular.
Acresce que como deve saber cada vez que se aborda aqui o nome do Zé (e repito era fácil adivinhar que era ele), os comentários crescem desmesuradamente e repetitivos o que por certo iria disvirtuar o tema abordado e a pessoa a quem a rubrica é dedicada assim como o Autor do texto e a excelencia do mesmo.
Tal se verificou de imediato no comentário subsequente que nada tem a ver com cinema e que apenas coloquei para que se lhe dissipem quaisquer dúvidas .
Vamos então abordar o tema cinema, , o profissionalismo da A. L., e o muito que a mesma deu e continua a dar à sétima arte e deixemos o Z.C. em paz.

Chico Manuel

Anónimo disse...

E não lhe sabia os dotes de cantora,vi, ouvi, e gostei, e ainda por cima como o nosso Zé.

Anónimo disse...

Também eu sou admiradora da Alexandra Lencastre acho que é uma mulher e uma actriz com muito charme.
Sem querer entrar em muitas polémicas porque esta rubrica é sobre cinema e a Actriz, na verdade com provas concretas é que tudo se prova, depois de ter visualizado o link apresentado por um comentador acima, acho que o comentador ou comentadora de 05 novembro, 2016 21:19 perderam uma boa ocasião para terem ficado calados, e não é como diz, perguntar muitas vezes visa ofender, como é claramente o seu caso.
Um bom Domingo,
Paula Maria

artemiso peças disse...

Excelente e bonita Actriz .
Parabéns também por mais esta linda crónica.
Artemiso Peças