terça-feira, 18 de dezembro de 2018

É JÁ UMA TRADIÇÃO

Mais uma vez o MOTORKLUBE  ALANDROAL  promoveu a entrega de recordações natalícias nesta época.
Os briosos “motards” não se limitaram a percorrer as ruas do Alandroal , alargando o seu percurso por todo o Concelho.


Também Os BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS promoveram o seu jantar/convívio de Natal.


Assim como, a SANTA CASA DA MISERICÓRDIA


E a C.M.A. , não só dos seus funcionários , como também o habitual almoço para os Seniores



Também em Montemor-o-Novo as Ruas se iluminam, dando mais colorido à época e durante o fim-de-semana no átrio do Cine Teatro Curvo Semedo, devidamente adaptado, se evocou a quadra natalícia com muita cor, música e divertimento para os mais novos




Para as entidades promotoras o nosso aplauso, e votos de Bom Natal para todos!
(Al Tejo agradece e pede desculpa a todos a quem "rapinou" as fotos e video que permitiram esta informação))

DIVULGAÇÃO - ALANDROAL

              Autarquia de Alandroal cria novos espaços para receber turistas no concelho
O Município de Alandroal terá em breve três novos espaços para receber os turistas que diariamente visitam o concelho.
De acordo com a informação que nos chegou, o município liderado por João Grilo, vai apostar na melhoria da recepção aos visitantes do concelho, nomeadamente em três espaços renovados nas três vilas históricas do concelho – Alandroal, Terena e Juromenha.
Nestes espaços agora apresentados pelo município, será possível realizar uma experiência moderna e interactiva de contacto com toda a oferta turística do concelho.
Em paralelo, o município está a desenvolver uma nova linha de materiais promocionais associados à nova marca. “Alandroal – Uma História que Nunca Acaba” será a assinatura condutora de toda a comunicação.
A autarquia anuncia ainda que irá reeditar o Guia Turístico do concelho que condensará toda a oferta e além da tradicional edição em papel será criada uma edição digital e uma APP. Alojamentos, restauração, monumentos e património, roteiros e percursos pedestres, artesanato e produtos locais e todas as restantes possibilidades estarão disponíveis de forma interactiva e em permanente actualização.
Fonte: O Digital 


A CRONICA DE OPINIÃO TRANSMITIDA HOJE NA RÁDIO DIANA/FM



CLÁUDIA SOUSA PEREIRA
                                NATAL, UM MUST PESSOAL E INTRANSMISSÍVEL
Gosto da oportunidade de desejar a todos um Bom Natal. Não que me sinta nesta quadra, como por decreto, mais próxima de quem ou com quem estou quase sempre, ou com quem nunca estou por razões várias. Descobri que são razões muito minhas, as que me fazem gostar do Natal, das compras, da bagunça das combinações, dos excessos ou da impossibilidade de os cometer quando ficam para ali tão tentadores.
Gosto do Natal egoisticamente por causa de mim. E aprendi, não há muito tempo, a não tentar converter, e a condicionar ao mínimo, aqueles que me rodeiam a sentirem-se assim. Numa imagem que sei ridícula mas comum, não me importo de sozinha lançar os foguetes e apanhar as canas. Tento sempre, claro está, aproximar-me de quem me atura ou, vá lá, tolera e “deslargar” (adoro esta corruptela enfatizante do real aborrecimento de quem a usa no imperativo!) quem não entra neste espírito.
É como se esta quadra fosse a “minha quadra” de festejar o que quer que seja. Nem que seja só o facto de estar viva, o que não acontece a tantos que marcaram, de uma maneira ou de outra, a minha vida. E mesmo que a vida seja uma coisa difícil de usar. Festejo as boas memórias da infância que, no Natal, permanecem quase indeléveis nos sentidos: o frio na rua e o calor em casa, o cheiro que sai das panelas e do forno; os jingles da época repetidos até à náusea, as luzinhas e enfeites que quanto mais exuberantes mais risíveis e quanto mais equilibrados chegam a roçar o belo e o cuidado estético. O que, pelo menos no Natal e nem que seja só por obrigação ou interesse outro, alguns se empenham em ter.
Gosto do Natal com todo o meu espírito egoísta e a coberto de quase tudo o que se apregoa no calendário e que diz que deve ser em sentido contrário. Quase cobardemente, portanto, mas autorizada por leis várias. É porque posso! E vou aproveitando…
Um voto de feliz Natal a quem o queira! E até para o ano.



NA IMPRENSA



OS NOSSOS POETAS - Jerónimo Major


EM MEMÓRIA

                                Francisco
Não foram nada bons os primeiros dias de Dezembro. Neste tempo de esperança, de alegria e de união familiar e de amigos, foi exponencialmente difícil quando nos vimos confrontados com o trágico acidente e consequente falecimento de um conterrâneo nosso, figura popular e de quem todos gostávamos, pela sua forma de se dar aos outros e de partilhar o que tinha com quem não tinha. Era jovem o Francisco. Vai permanecer jovem para sempre, dando continuação a outros mitos da literatura, do desporto, do cinema e das belas artes, que têm povoado o imaginário de várias gerações ao longo da História.
Era, por isso, ainda cedo. Cedo demais.
Quando um amigo parte das nossas vidas e deixa os nossos dias profundamente mais vazios e sem Sol, há sempre uma parte nossa que o acompanha e uma parte dele que fica connosco. É assim a amizade. Se não fosse como acabo de descrever, nada teria valido a pena.
Partiu o Francisco. Deixou inconsoláveis a família e os amigos, sobretudo os amigos da igualmente mítica Rua de D. Sancho, e também os companheiros e colegas que, com ele, viviam a noite montemorense com intensidade e paixão.
Também nós, um dia, partiremos, por um motivo qualquer inesperado, adverso ou, nunca o saberemos agora, já aguardado. E haverá, também, gente pouco cautelosa a trocar impressões nas redes sociais sobre o nosso estado de saúde, sobre as nossas amizades, sobre a nossa família e o nosso passado, esquecidas da dimensão e do alcance que esses comentários podem atingir. Todos os amigos, preocupados, os irão ler. E os outros também.
Mas para o Francisco nada disto teve importância.
Até um dia, sabe-se lá quando... Quando for, vou levar-te notícias da nossa terra.
Descansa em paz.
João Luís Nabo
In "O Montemorense", Dezembro 2018

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

HUGO CALADO LANÇA PORTAL DE INFORMAÇÃO

Sobejamente conhecido pelos serviços prestados na Rádio Campanário, o nosso amigo Hugo Calado, abandonou este tão reconhecido meio de comunicação, para se dedicar a um novo projecto.
Reconhecido no meio como excelente comunicador, apresentador, cronista, são ainda de destacar as suas reportagens fotográficas, elaboração de vídeos e cronicas tauromáquicas, assim como várias transmissões em directo, muitas delas com referência ao Alandroal.
Com a saída da R.C. , mas mantendo o “bichinho” da informação o Hugo criou uma plataforma digital, que a par das notícias da região, se dedica também aos mais diversos assuntos desde o desporto à política.

De seu nome “ODIGITAL” - aconselhamos vivamente uma visita ao mesmo – que pode fazer clicando AQUI.
  Excelente trabalho e felicidades ao novo projecto são os votos do Al Tejo

COLABORAÇÃO DO TIAGO SALGUEIRO


Portugal foi novamente distinguido com 17 prémios do World Travel Awards, demonstrando a vitalidade do país neste sector, o que se converte num fator de enorme visibilidade em termos globais. Esta distinção reconhece o papel que o Turismo tem tido em termos económicos e vem realçar a excelente qualidade portuguesa a nível do património humano, cultural, natural, gastronómico e vinícola.
A chave do sucesso tem sido a conjugação dos fatores mencionados, com base numa assertiva estratégia de divulgação e de uma performance cada vez mais rigorosa dos agentes do sector.
A nossa capacidade em receber é sem dúvida um elemento de atratividade, que faz com que a procura sobre a nossa oferta seja cada vez mais elevada. A genuinidade e a forma como acolhemos quem nos visita é um fator preponderante, em termos das escolhas. Não foi acaso que deixamos para trás rivais diretos como os Estados Unidos ou o Brasil. É notória e significativa a evolução registada nos últimos anos.
E o Alentejo? Que mudanças tem vindo a ser verificadas em termos turísticos? Considero que também o nosso território, graças às suas especificidades, tem ganho bastante com esta aposta estratégica. Mas ainda há muito a fazer. No âmbito da reabilitação patrimonial, muitos passos ainda devem ser dados, de modo a que ativos culturais de diferente tipologia possam ser integrados em rotas e circuitos de âmbito turístico. Essa singularidade, baseada numa herança secular de diversas influências civilizacionais, constitui sem dúvida um mecanismo que pode ter um melhor aproveitamento em termos de gestão do património e do consequente aumento do número de visitantes.
E esta possibilidade constituirá uma vantagem em termos competitivos, que poderá colocar o Alentejo num patamar superior como destino de eleição. São muitos os testemunhos que se encontram em risco e que merecem uma maior atenção.
É prioritário, tendo em conta a tendência que se verifica em termos de crescimento de turistas, apostar na intervenção sobre o património cultural, estudando, recuperando e intervindo, dando “vida” e atribuindo novas utilizações. Só desta forma poderemos tornar o nosso território ainda mais atrativo, de modo a não “perder o comboio”.
 O mercado espanhol, aqui ao lado, pode e deve ser o alvo preferencial de um planeamento em termos de divulgação sobre a nossa realidade. Em conjugação com a gastronomia e com os vinhos, o destaque a dar aos nossos monumentos, museus e outros equipamentos culturais pode ser o mote para a captação de mais visitas e mais ingressos. No entanto, será sempre necessário um investimento inicial, em parcerias que envolvam municípios e demais entidades competentes, para a requalificação desse “tecido” cultural, que em muitos casos se encontra em risco.
Os ventos sopram a favor, mas é necessário aproveitá-los da melhor forma. Temos muitos pontos fortes ainda por explorar e lugares que são por agora desconhecidos, mas com elevado potencial turístico. Haja vontade política e das comunidades para seguir por esse caminho.
Tiago Salgueiro 
In : Tribuna Alentejo

DIVULGAÇÃO

          Abertura de concurso para preenchimento de vagas na C.M.A.

                                   INFORME-SE… (site C.M.A.)


NA IMPRENSA

               Cuidado!...Olhem que quem brinca com o fogo…queima-se!






domingo, 16 de dezembro de 2018

DESPORTO - RESULTADOS

                                                                                   FUTEBOL
                                                 Distrital Associação Futebol de Évora
Divisão de Elite
Canaviais 1 – Viana 0
Lusitano 4 – Corval 0
Portel 0 – União 2
Monte Trigo 1 – Juventude 0
Alcáçovas 3 – Calipolense 1
Reguengos 0 – Arcos 2
Arraiolos 2 - Vendas Novas 2.
LIGA AFE
Bencatel1 – Cabrela 4
Santana do Campo 1 – Valenças 0
Borbense 3 – Giesteira 0
Aguiar 0 – Escoural 3
Outeiro 4 – Oriola 1
Estremoz 0 - Cortiço 1
                                                   CAMPEONATO DE PORTUGAL – Série E
Olhanense 3 – Redondense 1
Vidigueira 1 – Pinhalnovense 4
Armacenense  3- Moura 0
                                                                                    FUTSAL
União 1 - Farense 6
                                                                                     RugbY
R.C. Lousã 22  – R.C. Montemor 7.

                   MEU PAÍS – MINHA GENTE 

DIA DO SENHOR

    AINDA A SOLENIDADE COMEMORATIVA DO DIA DA PADROEIRA EM VILA VIÇOSA

JÁ DISPONÍVEL "A FOLHA DE MONTEMOR"


sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

TRABALHO TERMINADO… VAMOS P´RÁ FESTA…
PRIMEIRO ENTRAR NA “ONDA”
NO ALENTEJO...



E PARA AQUECER O CORPO E A ALMA VAMOS DAR AO PÉ... LÁ PR´ÓS ALGARVES...

SUGESTÕES AL TEJO


Cinema Alandroal - 16 Dez 17,30H



Cinema Montemor-o-Novo

O NATAL EM MONTEMOR – O -NOVO


Está tudo pronto para o Convívio Natalício de hoje e para o Dia do Pai Natal de amanhã! Estão todos convidados a viver com alegria e intensidade o Mor Natal, uma iniciativa integrada no Protocolo Local!



A CRONICA DE OPINIÃO TRANSMITIDA HOJE NA DIANA/FM


                                                                                                                RUI MENDES
                                                O PAGAMENTO AO FMI
Foi com pompa e circunstância que membros do Governo, em conferência de imprensa, nos deram a notícia que a dívida que Portugal contraiu ao Fundo Monetário Internacional (FMI), no montante de 28 mil milhões de euros para cumprimento das necessidades de financiamento para execução do programa de ajustamento, foi totalmente liquidada, e que o Governo o fez por antecipação do prazo.
O Governo terá liquidado a parcela em falta ao FMI que totalizava 4,7 mil milhões de euros.
Na conferência de imprensa o ministro das finanças fez ainda questão de referir que os objectivos para redução do rácio da dívida para 2018 e 2019 serão atingidos, respectivamente 121,2 e 118,5% do PIB.
Dito assim até parece que Portugal cumpriu antecipadamente o pagamento de uma parcela da sua dívida externa. Mas não.
Não, porque o que o Governo faz é uma gestão da dívida, ou seja, para pagar ao FMI o Governo contraiu divida perante outros, mudaram os credores.
Ainda recentemente a comunicação social nos dava nota de que a dívida pública portuguesa tinha atingido em Outubro um novo máximo histórico, 251,1 mil milhões de euros.
Ainda que o peso da dívida em relação ao PIB tenha vindo a melhorar, o certo é que a dívida nominal não só não reduz como este Governo tem sido um causador do crescimento da dívida.
Quando este Governo iniciou funções, em 2015, a dívida do país era inferior a 230 mil milhões de euros.
Pois este será mais um dos feitos deste Governo.
Se no passado o elevado montante da dívida sempre foi referenciado como uma das causas da crise, essa razão continua e não deixa de ser bastante preocupante.
O pagamento desta parcela de 4,7 mil milhões ao FMI só será de louvar porque gera redução de juros, mas tal medida enquadra-se numa lógica da gestão da dívida, nada mais.
 Este governo pode ter dificuldades em saber como governar, mas sabe fazer política. Digamos que sabe vender. Com o tempo acreditamos é que sejam cada vez menos aqueles que queiram comprar.
 A desconfiança da politica resulta precisamente de nunca ser contada a história toda. Falar por meias verdades. E a história que está por detrás do pagamento ao FMI é uma meia verdade.
 Esta semana fecho esta crónica, com um ditado popular que se aplica a este Governo: Um olho no peixe, outro no gato.
 Até para a semana



DESPORTO PARA O FIM-DE-SEMANA

                                                                        FUTEBOL
                                                                          INAtel
Alandroal United  FOLGA
                                          Distrital Associação Futebol de Évora
Divisão de Elite
Canaviais – Viana
Lusitano – Corval
Portel – União
Monte Trigo – Juventude
Alcáçovas – Calipolense
Reguengos – Arcos
Arraiolos - Vendas Novas.
LIGA AFE
Bencatel – Cabrela
Santana do Campo – Valenças
Borbense – Giesteira
Aguiar – Escoural
Outeiro – Oriola
Estremoz - Cortiço.
                                                CAMPEONATO DE PORTUGAL – Série E
Olhanense – Redondense
Vidigueira – Pinhalnovense
Armacenense - Moura
                                                                              FUTSAL
União - Farense
                                                                               RugbY
R.C. Lousã – R.C. Montemor.


MEDIDA ACERTADA DA C.M. MONTEMOR-O NOVO

A Câmara Municipal de Montemor-o-Novo prossegue as diligências junto da Tutela para que sejam tomadas medidas urgentes na resolução dos graves problemas de segurança rodoviária sentidos há largos anos pelos montemorenses.
A Câmara Municipal considera que é necessário garantir a limitação do trafego pesado de mercadorias, equacionada a possibilidade de desviar o trânsito pesado de mercadorias e encontrar uma solução definitiva para um problema que se tem vindo a agravar, apesar das dezenas de tentativas de alertar as entidades competentes para o perigo eminente a que estão expostos os montemorenses.
A permanente e generalizada preocupação com o trânsito de veículos pesados, nomeadamente transportando mercadorias tóxicas e perigosas, é um risco claramente identificado pelas autoridades com responsabilidade nesta área e denunciado reiteradamente junto das entidades competentes, sendo este assunto debatido e registado nas reuniões do Conselho Municipal de Segurança de Montemor-o-Novo.
Não tendo havido resposta às solicitações anteriores - ultimo contacto escrito via mail datado de 13 de fevereiro de 2018, seguido de infrutíferos contactos telefónicos com o Gabinete do Sr. Secretário de Estado - e tendo em conta a urgência da situação, foi uma vez mais solicitada ao Sr. Secretário de Estado das Infraestruturas a marcação de uma Audiência para expor esta situação.
Esperamos que este novo pedido seja atendido para análise conjunta e definição urgente de intervenção para a resolução deste problema diário na vida dos Montemorenses que tarda em ser resolvida.
Montemor-o-Novo, 12 de dezembro de 2018