domingo, 24 de setembro de 2017


                              SONDAGEM NA BARRA LATERAL 

DESPORTO - RESULTADOS

                                                TAÇA DINIS VITAL – 1ª ELIMINATÓRIA
                                                   Redondense 4 - Santana do Campo 0
                                                     Valenças - Tourega - Adiado 30/09
                                               Monte do Trigo - Cabrela- Jogo não realizado f/jogadores Cabrela
                                              U. Montemor 7 - Calipolense 0
                                                    Aguiar 0 - Alcaçovense 2
                                                 Juv. Évora 2 - C.C. Corval 0
                                        Fazendas Cortiço 5 - Bencatelense 1
                                                  Perolivense - Canaviais - Adiado 5/10
                                                       Portel 6 - Giesteira 0

                     TAÇA DE PORTUGAL 2ª Eliminatória– EQUIPAS ALENTEJANAS
                                                                     Lusitano 4 – Pero Pinheiro 1
                                                                         Casa Pia 5 – Canaviais 0
                                                                        Sanjoanense 3 – Crato 0
                                                                          Sourense 0 – Leixões 2
                                                                    Sport Ideal 1 – Almodôvar 0
                                                                        Moura 1 – Gil Vicente  0
                                                     Aguiar Vimioso 2 – Vasco Gama Vidigueira 3.


sexta-feira, 22 de setembro de 2017

DIREITO À OPINIÃO - António Berbem

                     A  JIGAJOGA  dos Donaldos Trump
I.
Dado que estamos em campanha eleitoral autárquica, em ambiente livre e desinibidor e sem os limites de ameaças avulsas, cabe, hoje, deixar aqui umas tantas reflexões sobre o momento eleitoral que vai seguir-se.
O título escolhido invoca, claro está, “o grande actor político americano” que acaba de proclamar que é capaz de ordenar “a destruição total de um país de 25 milhões de habitantes”. Isto como se, ao lado desse país, não existisse outro com o mesmo nome e as duas Coreias não fossem uma só nação. Artificialmente dividida desde a guerra dos anos 50 e da longa guerra fria envolvendo três superpotências naquela área do Pacífico.
Visto assim, pode dizer-se que Donald Trump é um líder perigoso, inconsistente e errático com demasiado poder e bastante irresponsável naquilo que vai dizendo. Hoje diz uma coisa para amanhã afirmar o contrário. Cabeludo e anafado, ameaça e exclui quem não concorda com ele.
[Quanto ao «Kim- coreano» é um ovni saído de uma monarquia comunista que, à falta de melhor, anda a aprender a rir-se – embora de uma forma trágica - de si próprio e da elite miliar que continua a dar-lhe o pasto].  
E, no meio disto, percebe-se que mais uma guerra de onde viesse a sair vencedor é, como será, um dos objectivos que persegue para tornar o poder mundial da América ainda maior do que já é.
Entretanto, metade da equipa que levou consigo para a governação já se demitiu ou foi demitida. Ou nem sequer já acredita no que dele vê e ouve.
O pior disto é que estão a aparecer mais Trump (s)  em  diversas escalas e nos mais diversos e inesperados lugares. É uma questão de “guerreira oportunidade”, tanto mais provável quanto maior é “anarquia madura” vigente nas relações internas, locais e internacionais. Com ou sem ONU.
2.
Se isto se passa assim a nível global, pode dizer-se que, a outros níveis, é também o que vai acontecendo a olho nu. Pode assim concluir-se que as dominantes nestas eleições autárquicas, em termos muitos resumidos, não andarão longe dos seguintes desatinos e desconexões funcionais:
 -  um excesso de  “retórica pessoalista” e triunfalista que cansa, usa e  anda a manipular sem decoro os votantes;
- programas eleitorais longos, oportunistas, pouco claros e repetitivos;
- um novo “Caciquismo local” autocentrado e furtivo que já se julgava um tanto ultrapassado e que voltou agora em força em muitas autarquias do país; tanto do Norte como deste nosso Sul;
 - uma evidente impreparação politica de certos candidatos que faz com que muito facilmente deslizem para as rivalidades pessoais, para o vazio das propostas eleitorais e para os ataques pessoais permanentes;
 - incapacidade para assumir ( escondendo-os com várias cortinas de fumo ) os erros graves do seu passado e dos mandatos recentes;
- uma clara e prévia predisposição para se reproduzirem em  cargos do  poder autárquico dando, com descarado despudor, a ideia que são os melhores e únicos sem cuidarem de o provar; ou de perceberem as causas principais das suas próprias e anteriores derrotas;
 - uma apropriação leviana e indevida do passado dos próprios partidos, banalisando  e desprestigiando o seu papel histórico e democrático, à esquerda e à direita, nas disputas legítimas pelo exercício do poder politico;
 - uma corrida, em tudo excessiva, aos órgãos de comunicação social e às redes sociais que acaba por alienar as partes boas do dialogo e da comunicação politica que as eleições deviam manter. Longas entrevistas que, quase sempre, acabam como começaram… com autoelogios e distanciamento das realidades sociais envolventes;
 - e, por fim, também somos da opinião que assim “não há equipas que resistam”; assim como, qualquer candidato, decorrido o período inicial do mandato começa, imediatamente, a reformar-se correndo para a sua próxima reeleição. Muitas vezes para resolver apenas problemas de falta de inserção e de continuidade nas suas qualificações profissionais. Ou de outras e actualizadas competências.
  Isto quando se conhece que, em Portugal, apenas cerca de um terço ou um pouco mais das promessas eleitorais são efectivamente cumpridas.        
     Terminamos pois com o desejo ( e o voto ) que este quadro e cenário politico, não venha a repetir-se numa autarquia que anda, desde os anos 2000, a ensaiar os mesmos candidatos e a gerar o mesmo tipo de confrontos pessoais. E ainda, a mesma ausência de um novo tipo decisor de desenvolvimento e crescimento “ a sério” aos seus mais diversos níveis.
 Viáveis e Inovadores, se possível!
Porque, se é verdade que as Vilas e aldeias do Concelho têm um passado que as dignifica, não é menos verdade que temos agora de ter face às exigências do presente, uma aberta e participativa visão do futuro. 
Exigente, concreta e capaz de servir as populações enquanto razão de ser essencial, a primeira e a ultima, da próxima votação, em Outubro .
  Saudações democráticas
   António Neves Berbem
    ( 22/9/ 2017)



SUGERIMOS....



No Alandroal - 22 Set. 21,30H




DESPORTO NO FIM-DE-SEMANA

                                                      TAÇA DINIS VITAL – 1ª ELIMINATÓRIA
                                                        Redondense - Santana do Campo
                                                            Valenças - Tourega
                                                     Monte do Trigo - Cabrela
                                                    U. Montemor - Calipolense
                                                         Aguiar - Alcaçovense
                                                     Juv. Évora - C.C. Corval
                                             Fazendas Cortiço - Bencatelense
                                                     Perolivense - Canaviais
                                                           Portel - Giesteira
Isentos: Arcoense, Lus. Évora, Arraiolense, Sp. Viana Alentejo, S.B. Outeiro, At. Reguengos, Estremoz.


                        TAÇA DE PORTUGAL 2ª Eliminatória– EQUIPAS ALENTEJANAS
                                                                         Lusitano – Pero Pinheiro
                                                                            Casa Pia – Canaviais
                                                                            Sanjoanense – Crato
                                                                              Sourense – Leixões
                                                                           Sport Ideal – Almodôvar
                                                                               Moura – Gil Vicente
                                                          Aguiar Vimioso – Vasco Gama Vidigueira.

                                                                       AMIGÁVEL

                                                  OUTRAS MODALIDADES AMADORAS 





IMPRENSA REGIONAL


quinta-feira, 21 de setembro de 2017

DIVULGAÇÃO - Câmara M. Montemor-o-Novo


VIDA AUTÁRQUICA - A,M. ALANDROAL


VASCULHAR O PASSADO - Augusto Mesquita

          O Parque de Exposições Mercados e Feiras foi inaugurado há 20 anos
Tudo leva a crer que as feiras medievais de Montemor-o-Novo surgiram antes de 15 de Março de 1203, pois o Foral  concedido por D. Sancho I naquela data, impõe 1 soldo ao mouro que vender no mercado.
            Segundo Banha de Andrade, não existem documentos que comprovem a existência de feiras em Montemor-o-Novo nos séculos XII, XIII e XIV, pois apenas existem registos da existência de feiras na nossa terra, no século XV, mais propriamente em 1442. No Livro da Vereação, se determina em 5 de Julho desse ano, que as vendedeiras “ao dia da feira venham armar suas tendas no Alpendre”.
            A altitude a que se encontra o Castelo, fez com que a população procurasse a proximidade com a estrada real, que passava no sopé do monte, provocando um fenómeno de abandono do recinto fechado em favor da actual localização, não obstante D. Manuel em 1508 ter concedido grandes privilégios aos moradores do Castelo, para impedir o seu abandono.
                                                                                O Rossio
Os nossos antepassados escolheram o Rossio das Portas do Sol para a realização de mercados e feiras. No reinado de D. João II e por conseguinte, ainda no século XV, já contava nada mais nada menos com três feiras (Maio, Nova e a da Luz), ambas com a duração de três dias. De todas, a Feira da Luz ou de Setembro é a mais importante. Veio-lhe a primeira designação pelo facto da feira se realizar junto à antiga capelinha de N.ª S.ª da Luz, que deu lugar ao Convento das Beatas de N.ª S.ª da Luz, inaugurado em 10 de Julho de 1585.
            Alem de albergar numerosas tendas de quinquilharia, de mantas alentejanas de Reguengos, de chapelaria, de sola, de louça, de obras de palma do Algarve, de correeiros, de albardeiros, de ourives, de fotógrafos à lá minuta, e de comes e bebes, onde não faltava a sardinha assada e os pimentos, esta feira era completada com a transacção de gado.
            Os vendedores da “banha da cobra”, e de “cobertores”, eram uma presença assídua nas feiras. Tinham a magia de juntar à sua volta um público ansioso por conhecer os produtos que iam estar à sua disposição.
            Os visitantes podiam ainda, divertir-se nos carrosséis, nos carrinhos de choque, no poço da morte, nos matraquilhos, nas barracas de tiro e nos circos. Na Feira da Luz realizada em 1945 foram montados nada mais, nada menos do que três circos: “Mariano”, “Luftan” e “Cardinal”.
            A ocasião era aproveitada por saltimbancos e outros artistas de rua, que procuravam a generosidade da população que afluía a esses eventos. Os aguadeiros e os homens das quadras eram também presenças assíduas nas feiras. A violência e actividades marginais eram também comuns: malfeitores, prostitutas, ladrões e mendigos afluíam às feiras para burlar os mais desprevenidos, criar desordens e pedir esmolas.
            No decorrer da Feira da Luz os montemorenses ausentes, aproveitavam a ocasião para se reunirem na terra natal, e desta forma matarem saudades da família, dos amigos, de lugares, e da gastronomia.

IMPRENSA DA REGIÃO


quarta-feira, 20 de setembro de 2017

APLAUDO E ASSINO POR BAIXO

Do facebook do Luís L. Faria

              Mensagem aos políticos do Concelho de Alandroal:
Vou falar daquilo que sei, da minha profissão da minha paixão, falo porque há 5 anos que batemos o Concelho ao Sol e chuva, vivemos cá, temos cá família e as raízes são cada vez mais fortes.
O Alandroal tem uma Identidade Cultural única, o Turismo é uma tábua de salvação de toda a região, nota-se de dia para dia o crescimento desta indústria. 
VOCÊS TÊM QUE ACOMPANHAR PÁ.
Esqueçam os amigos, esqueçam a lealdade, esqueçam os partidos, esqueçam as brigas, vocês têm que trabalhar com quem trabalha em equipa, com quem quer efectivamente trabalhar, com PROFISSIONAIS.
Não precisamos de edifícios novos, precisamos de RECUPERAR O PATRIMÓNIO QUE TEMOS
NÃO É SÓ JUROMENHA
Lembrem-se dos Moinhos ao longo do Lucefécit, lembrem-se das Pontes antigas (Fonte dos Ouros, Velha de Terena, Baldio da Asseca), lembrem-se do Património mineiro que é milenar, lembrem-se das Antas que são impossíveis de visitar, lembrem-se das Misericórdias de Terena e do Alandroal, lembem-se das Ermidas (de NS das Neves no Alandroal e Ferreira, de Santa Clara em Santiago Maior, da Fonte Santa,....), lembrem-se dos povoados da várias épocas, lembrem-se dos outros Castelos (o protohistórico Castelo Velho, o romano Outeiro dos Castelinhos, o medieval de Terena,......), lembrem-se dos Postos da Guarda, lembrem-se dos Geomonumentos, lembrem-se dos Circuitos Pedestres em estado lastimoso, lembrem-se das Estelas Discóides e Aras dedicadas a Endovélico escondidas de todos, lembrem-se das várias colecções de objectos etnográficos, lembrem-se da poesia, lembrem-se do Mel, do Queijo, dos Enchidos, do Vinho.........
ESTAMOS À ESPERA DE QUÊ PESSOAL?
L.L.Faria

SERÁ DESTA? IREMOS FINALMENTE TER O TÃO APREGOADO MUSEU?


                                  POR ORA É APENAS A ELABORAÇÃO DO PROJETO......
                                                                                 MAS
         ATÉ LÁ VAMOS DIVERTINDO AS NOSSAS CRIANÇAS E FAZENDO MANUTENÇÃO....



O SEMPRE ESPERADO S. MATEUS TEM INÍCIO HOJE