quarta-feira, 16 de Abril de 2014

PALAVRAS PARA QUÊ ?


O tribunal decretou hoje a libertação de Duarte Lima, que se encontrava em prisão domiciliária, por considerar que o perigo de fuga está diminuído, disse à Lusa o advogado do arguido.
                                                                            XX

Quatro meses depois da tragédia no Meco, os familiares e amigos quiseram homenagear as vítimas e estiveram presentes na praia onde tudo aconteceu. Segundo o Diário de Notícias, a mãe de Tiago Campos, uma das vítimas, e dois surfistas, foram identificados por contrariarem as ordens da polícia e lançarem uma coroa de flores ao mar.

RECORDAR !

Já lá vão 16 anos.
Precisamente em Abril de 1998 no mensário “Boa Nova” o Manuel Varandas, na rubrica «Como Vai o Desporto no Alandroal» escrevia e documentava:

    ATLETAS DO ALANDROAL SÃO OS MELHORES DO DISTRITO

Relatava que no mes de Fevereiro a Associação de Atletismo de Évora, em cerimónia anual distinguia os melhores atletas da época de 1997
Cinco Atletas representando os Bombeiros Voluntários do Alandroal, foram contemplados com 5 distinções, de entre 13 atribuídas, sendo ainda a Equipa dos B.V-A. a mais representativa em número de praticantes.
Dava-nos então conhecimento dos Atletas distinguidos, assim como do escalão onde se inseriam:
Sónia Germano, em Infantis femininos
Hugo Cotovio, em Infantis Masculinos
Elsa Pimentão, em Iniciados Femininos
Bruno Pires, em Iniciados Masculinos.

António Nabais, Técnico da Equipa dos Bombeiros Voluntários do Alandroal, recebeu a distinção de Técnico do ano.
Aqui fica, para recordar a fotografia dos premiados:




DOCUMENTO RARO

No dia 28 de Março de 2014, no Coliseu dos Recreios completamente cheio e numa organização da Casa da Imprensa recordou-se e reeditou-se aquele que foi o primeiro Encontro da Musica Portuguesa.
Estiveram presentes e actuaram:
Filipa Pais – João Afonso – Júlio Pereira – Janita Salomé – José Fanha – Carlos Alberto Moniz – Amélia Muge -  António Portanet -  Couple Coffee – Francisco Fanhais – Luísa Amaro – Gonçalo Lopes – Sérgio Godinho – Zeca Medeiros.

O que foi o primeiro Encontro de Musica Portuguesa:
Um encontro/espectáculo de músicos de intervenção, contestatários do regime vigente, e que contou com nomes como:
José Afonso, Adriano Correia de Oliveira, José Carlos Ary dos Santos, Carlos Paredes, Vitorino, Fernando Alvim, Fernando Tordo, José Jorge Letria, José Barata Moura, Intróito, Manuel José Soares, e muitos outros.
O mesmo realizou-se no Coliseu dos Recreios, esgotado, a 29 de Março de 1974 ( há 40 anos e a pouco mais de um mês da Revolução de Abril).
Como decorreu:
A poucas horas do inicio, a organização (Casa da Imprensa) ainda não tinha qualquer autorização para a realização do mesmo, que apenas chegou em cima da hora e impondo como condição que musicas de Zeca Afonso como “Venham mais Cinco – Menina dos Olhos Tristes -  a Morte Saiu à Rua” não fossem interpretadas..
O espectáculo foi na altura considerado como um acto de resistência à ditadura e contou com um dispositivo policial anormal para vigiar as cerca de 5.000 pessoas presentes.


Alem do dispositivo policial, não faltou a forte presença dos homens da PIDE, e da Brigada  Fiscal da Secretaria do Estado da Informação e Turismo.
 É o relatório elaborado pelos mencionados fiscais, documento raro cujo original se encontra  na Torre do Tombo que aqui lhe deixamos cópia:
Uma duvida me assalta: Teriam os Senhores Fiscais recebido os 18$50 dos transportes?

PÁGINA DEDICADA AO POETA “VERSOS DIVERSOS”

Poeta que em comentários aqui colocados dá azo à sua veia de Poeta consagrado.

A propósito da divulgação dos poemas premiados no II concurso de Poetas Populares

Discutir a Poesia…
Como eu gosto de poesia…
E é do que se trata aqui!
Assim que aqui cheguei vi
Que muita gente a discutia!...
Ao tempo que não me exibia…
Eu sou uma autoridade,
Em poemas, na verdade,
Tenho um curso superior!
De poesia, sou doutor,
Estudei na Universidade!

Meus bons amigos, Senhores,
Ciente do vosso interesse,
Achei bem que vos descrevesse
Da poesia os valores!
Não se trata de favores,
Nada têm que retribuir…
A minha mulher está-se a rir,
Com cara de maldisposta.
Ela de poesia não gosta,
E obriga-me a desistir...

Eu nunca posso falar nada
De poesia com ela!
Se for da telenovela…
Fica logo entusiasmada.
Ela anda obcecada
Com aquelas aldrabices!
E eu essas tagarelices
Cá p’ra mim são um castigo.
Mesmo que queira não consigo
Olhar p’ra essas tolices…

Ela agora abalou!
Uma boa oportunidade
P’ra falar de poesia à vontade!
Mas quem é que me chamou?...
É o meu filho que chegou:
Quer o computador p’ra jogar…
Tenho que lho entregar,
Senão quem é que o atura?!...
Falo dos poemas, noutra altura:
Os poemas, têm esperar…

De: Versos Diversos
A propósito da divulgação “estendal de poesia” – iniciativa de exposição de poemas pelos alunos das escolas do Concelho do Alandroal.
Como as Crianças Constroem o seu Mundo.

As crianças, que imaginação!...
Conseguem, mesmo acordadas,
Pôr se a sonhar com fadas
Ignorando que é ficção…
E a fada, com a sua mão,
Para a criança reforma,
Em tudo as cores e a forma.
E ao sabor da fantasia…
Vive no mundo que ela queria,
E só assim se conforma!...

No seu mundo cor de rosa,
Implantou a alegria…
E reinventou a poesia,
De forma maravilhosa!...
Uma ideia luminosa
Que podíamos copiar,
P’ra podermos melhorar 
Este mundo sem esperança…
Que bom seria, ser criança,
Para voltar, a sonhar!...

De: Versos Diversos

CRONICA DE OPINIÃO HOJE TRANSMITIDA NA DIANA/FM


OIÇA AQUI A CRÓNICA DE HOJE DA AUTORIA DE SILVINO ALHINHO DENOMIDA “GALÔES DE ABRIL”

SÍNTESE DE NOTÍCIAS REFERENTES AO ALENTEJO

A Câmara de Beja vai propor a classificação do centro histórico da cidade como conjunto de interesse público, no âmbito de um projecto para valorizar e dinamizar a zona.

A Câmara de Évora e o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local (STAL) assinaram ontem o Acordo Coletivo de Entidade Empregadora Pública.
Com a assinatura do ACEEP, o município de Évora vai continuar a praticar as 35 horas semanais de trabalho.

O Município de Borba e o STAL – Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional, Empresas Públicas, Concessionárias e Afins, assinaram um ACEEP – Acordo Coletivo de Entidade Empregadora Pública.
autarquia refere que o documento define a manutenção do período de trabalho de 35 horas semanais e 7 horas diárias, entre outras matérias, por não configurar “qualquer prejuízo para a prestação de serviços públicos ou para a salvaguarda do interesse público. 

Esta semana tem lugar em Montemor-o-Novo um conjunto de celebrações religiosas alusivas à Páscoa. Amanhã, quinta-feira santa, tem lugar a celebração da Ceia do Senhor e Lava-Pés na Igreja de S. João de Deus, às 19h. Sexta-feira realiza-se a Oração de Laudes na Igreja do Hospital às 10h. Às 15h tem lugar na Igreja Matriz a Celebração da Paixão do Senhor. As cerimónias de sexta-feira santa terminam às 21h, com a Procissão do Enterro do Senhor, da Igreja do Calvário para a Igreja Matriz. Sábado santo começa com a Oração de Laudes, ás 10h na Igreja do Hospital. À noite, a partir das 21h, tem lugar a Vigília Pascal e a administração do Baptismo às crianças da catequese. No domingo de Páscoa realiza-se Missa da Ressurreição do Senhor nas Igrejas da Paróquia, no horário habitual.

terça-feira, 15 de Abril de 2014

CRONICA DE OPINIÃO TRANSMITIDA HOJE NA RÁDIO DIANA/FM

                                  O ovo

Terça, 15 Abril 2014 09:41
É Páscoa, semana santa, vou falar de ovos. Podia falar de coelhos, mas não me apetece, o bicho anda com más conotações, coitado; podia falar de folares, mas o que os torna desta época é o ovo que os acatita; podia falar de cabrito ou borrego, mas de sacrifícios andamos todos “por aqui”; e podia falar de amêndoas mas, lá está, caímos no ovo que é do que elas se mascaram nesta quadra.
Podem supor, como eu supus, o quão difícil seria encontrar uma frase ou pensamento de autor, mais ou menos erudito, em torno de ovos, mas nem por isso. A grande maioria relaciona-o, ao ovo, ao tempo que há-de vir, ao futuro, à paciência, entre outros conceitos mais ou menos inusitados. É que me apetecia mesmo falar de como os ovos são ou uma espécie de caixinha de surpresas, normalmente boas, ou, no extremo oposto, uma terrível caixa de pandora. Que deles saem fofos pintainhos ou patinhos ou passarinhos, enfim bichos de penugem que deixam qualquer um mais lamechas. Como saem répteis que logo evocam bestiários do mal, mais imaginados e simbólicos do que reais. Como saem espécies que são chocadas por outras espécies, como os do cuco, que para os pôr, lá tem que ser, perpetuar a espécie e manter a linhagem, mas para os chocar, que é o que dá trabalho e moengas, espera aí que tenho mais que fazer… Como há, ainda, os ovos que sendo podres cheiram logo mal e se denunciam quando se partem, e os outros, de que é mais frequente encontrarmos vítimas o que me leva a pensar que são por isso os mais perigosos, que aparentemente de bom estado albergam a maldita e quiçá mortífera salmonela.
Afinal, eu queria falar do ovo e parece que acabei a falar da espécie humana que também lá tem, no fundo, no fundo, o ovo como génese. Isto está tudo ligado e por isso é que é em torno de histórias que se explica a religião, que religa tudo, e voltamos à Páscoa que está ligada ao Natal, como o nascimento está ligado à morte, e encontrar linhas, que são as histórias, que unam estes pontos é ir mostrando o caminho.
Oscilei, por tudo isto, entre uma citação de Andersen, um autor por quem tenho um afeto muito especial, e que a propósito do Patinho Feio, claro, dizia que «nascer numa quinta de patos não fazia mal, desde que não se saísse de um ovo de cisne»; ou outra de um autor com quem convivo bastante, C.S. Lewis das Crónicas de Nárnia que dizia que «pode ser difícil para um ovo transformar-se num pássaro: seria uma visão divertida, e mais difícil para o pássaro, aprender a voar permanecendo um ovo. No tempo presente, somos como o ovo. E não se pode continuar indefinidamente a ser apenas um ovo comum, decente. Deve-se ser chocado e eclodir ou apodrecemos.»
Ora, afinal, estes dois autores de chamada literatura infanto-juvenil sabiam bem que isto de embalar as crias ao som de bons avisos e princípios, como os que estão nas entrelinhas das boas histórias e sem necessidade de grandes lições de moral a rematar, é meio caminho andado para que saibamos que o que de um ovo saia, retirada a casca, ou é o que se espera ou é uma surpresa para a qual devemos estar alerta.
Boa Páscoa e até para a semana.
Cláudia Sousa Pereira

A PROPÓSITO DA ELABORAÇÃO DAS CONTAS DE GERENCIA A APRESENTAR BREVEMENTE, MARIANA CHILRA, PRESIDENTE DA C.M.A. CONCEDEU ENTREVISTA À RÁDIO CAMPANÁRIO.


“Sabemos que não conseguimos controlar as contas da câmara no mandato, muito menos em 6 meses ou 1 ano”, assevera a autarca alandroalense, Mariana Chilra. 

Leia e oiça AQUI

COM INTERESSE PARA OS HABITANTES DO CONCELHO DO ALANDROAL

                    HOSPITAL DE ELVAS VOLTA A RECEBER UTENTES DE ÉVORA E CONCELHOS                                                                          LIMITROFES


VEJA NOTÍCIA E FOTOS AQUI 

DIVULGAÇÃO



COM INTERESSE PARA AS MULHERES HABITANTES NO ALANDROAL

                                       Rastreio de cancro da mama no Alandroal 

A Liga Portuguesa Contra o Cancro promove,  até ao dia 21 de abril de 2014, na freguesia de Alandroal, rastreio gratuito do cancro da mama e lança o apelo à participação da população feminina, com idade compreendida entre os 45 e os 69 anos. A unidade móvel encontra-se estacionada junto ao Centro de Saúde Alandroal. O serviço gratuito de exame  mamográfico digital está disponível de segunda a quinta-feira das 9 às 13 hora e das 14 horas às 17h30. Às sextas-feiras o horário é das 9 às 13 horas.

DESCUBRA AS DIFERENÇAS



RESUMO DE NOTÍCIAS REFERENTES AO ALENTEJO

O Hospital de Santa Luzia vai continuar a prestar a mesma assistência à população do distrito de Portalegre e de alguns concelhos do distrito de Évora. Esta é a principal conclusão da reunião de ontem, dia 14 de Abril, em Campo Maior, que juntou sete municípios do distrito de Portalegre e Évora, nomeadamente Alandroal, Borba, Campo Maior, Elvas, Estremoz, Monforte e Vila  Viçosa.

A EDIA lançou dois novos volumes da segunda série da colecção “Memórias de Odiana”, publicação centrada nos trabalhos arqueológicos na zona de influência da albufeira.

A deputada do Bloco de Esquerda Mariana Aiveca, a candidata ao Parlamento Europeu Maria Helena Figueiredo e a Comissão Coordenadora Distrital de Évora do Bloco de Esquerda reuniram ontem com delegados sindicais e trabalhadores da fábrica de Évora da KEMET Electronics.





E DAÍ…TALVEZ QUEM SABE!

Numa terra de Poetas num blogue de divulgação de Poetas, é meu dever dar a conhecer o Concurso


E daí…talvez quem sabe, se não é mais uma porta aberta!


O HABITUAL POEMA ILUSTRADO DA LISETTE


segunda-feira, 14 de Abril de 2014

COLABORAÇÃO - Dr. João Luís Nabo

                                                     Em Abril

Abril é, tradicionalmente, o mês da Páscoa, o tempo de renovação da Natureza (se os ciclos se mantivessem como antigamente), o momento certo para recordar com mais intensidade um homem que continua a ser um exemplo para os homens de todos os tempos, de todas as ideologias políticas e religiosas. Ser consensual a este ponto não é fácil nos tempos que correm nem o foi no seu próprio tempo. É preciso ser bom. É preciso talento. Pois ele é das figuras históricas e religiosas mais analisadas, mais estudadas e que, no entanto, nos deixa sempre margem para o mistério, nos permite um espaço, maior ou menor, de incompletabilidade.
Depois de mil leituras sobre esta figura fascinante que me acompanha desde a mais tenra idade, continuo maravilhado com as questões que, tantos anos depois, ainda se me colocam, sem por isso diminuir essa admiração e a vontade de ter sido seu amigo. Quem foi, afinal? Como conseguiu com o seu exemplo e com a sua palavra pôr em risco um império? Que carisma é preciso possuir para, como ele, ter arrastado, e arrastar ainda, multidões? Realizou milagres? Não sei, nem acho isso importante. Amou uma mulher? Se proclamava o amor, seria justo e lógico dar o exemplo. Queria nivelar a sociedade em termos de riqueza e de oportunidades? Estava, decerto, muito à frente do seu tempo. Mexeu nos ninhos de cobras dos ricos e poderosos? Mexeu… e de que maneira.
O mais irónico é que, se tivesse nascido há 33 anos, ali, num estábulo perto da nossa cidade, muito provavelmente estaria igualmente prestes a ser crucificado no monte mais alto aqui da região. Talvez no Castelo ou ao lado da Ermida da Senhora da Visitação, sua Mãe. Entre ladrões e malfeitores. Entre drogados e prostitutas. Entre os que ele mais amou e defendeu. E, mais uma vez, não recusaria a morte. Porque sabia que o seu nome iria continuar acima de todos os nomes, porque defendera os fracos, os oprimidos, os humildes, os doentes, os abandonados, os injustiçados, as vítimas de toda e qualquer intolerância.
Porque iria ser o consolo de quem n’Ele acredita. Porque Ele sabia que iria ser o Irmão mais velho que todos gostaríamos de ter.

João Luís Nabo

É PORTUGAL !....

Segundo uma sondagem levada a cabo pela Pitagórica e esta segunda-feira divulgada pelo jornal i, uma fatia de 46,5% dos portugueses considera que os políticos do Estado Novo eram mais sérios e honestos do que os atuais. Aliás, do bolo dos inquiridos, apenas 17,7% entende que os governantes de hoje em dia têm mais competências do que os de "antigamente".





O Movimento para a Democratização do Regime, que representa os Militares de Abril, continua indignado com as declarações proferidas pela presidente da Assembleia da República.  Henrique Neto, um dos fundadores do Movimento, criticou a governante e assegurou que “Assunção Esteves nunca foi tida como muito sã da cabeça”.

DIVULGAÇÃO



CRONICA DE OPINIÃO TRANSMITIDA HOJE NA RÁDIO DIANA/FM

                         Estamos De Pé!

Segunda, 14 Abril 2014 07:43
Casa cheia na inauguração da nova sede do Bloco de Esquerda em Évora. O evento decorreu ontem e contou com as intervenções de José Soeiro (membro da mesa nacional do Bloco), Adel Sidarus (mandatário regional da lista do Bloco de Esquerda às Eleições Europeias) e Maria Helena Figueiredo (candidata ao Parlamento Europeu).
Reconfortante estar perto de tanta gente de confiança, gente de esquerda, gente que não verga, que está disponível para lutar, para enfrentar… gente que está de pé contra a austeridade que o capitalismo selvagem nos traz, dia após dia.
Gente que não tem medo, que dá a cara, que verga preconceitos e se levanta perante a injustiça e a violência neo-liberal.
Enfim… Gente que está disposta a fazer da memória do que aconteceu em Abril, há 40 anos atrás, alento para um novo futuro.
Vivemos tempos muito difíceis. A agenda da direita é clara. Tentarão continuar a utilizar os mecanismos austeritários, provocando medo e sentimentos de culpa, para continuar a promover o desemprego e a pobreza, retirando recursos quem trabalha para entregá-los, de mão beijada, à grande finança.
Mas nestes tempos há quem desfaça o medo e esteja pronto para lutar por um novo rumo. Gente que não quer a “mudança” que alguns anunciam, mas que na verdade significa alternância para mais do mesmo. Gente que quer a revolução, para um País e uma Europa do Emprego, da Solidariedade, da Confiança, da Cidadania, da Cultura, do Ambiente, da Justiça Social e Fiscal.
Um país para o Povo e uma Europa dos Povos. Não desistimos! Estamos de pé!

Bruno Martins

PELO ALENTEJO

40 anos de Democracia(s): progressos, contradições e prospetivas” é o tema do VIII Congresso Português de Sociologia, que decorre, entre hoje e quarta-feira, na Universidade de Évora.

A Turismo do Alentejo e Ribatejo promove, entre hoje e a próxima segunda-feira, a Semana Gastronómica do Borrego.
A semana conta com adesão de cerca de 130 restaurantes, espalhados pelos 58 concelhos que integram as duas regiões.

Continua a celebrar-se a Páscoa no Alandroal.
Dia 11 teve lugar junto ás muralhas do Castelo a Via Sacra.
Aqui ficam 3 fotos publicada no site da http://www.radiocampanario.com/r





DIREITO DE RESPOSTA

         Do Exmº Senhor José Rasteiro recebemos  a comunicação que a seguir transcrevemos:

                      Artigo do AL TEJO (Às vezes tem-se o que se merece)

Venho pelo presente solicitar a Vª Exª que publique a informação que lhe submeto, no sentido de esclarecer alguns comentadores/as do artigo supra referido.
  Não estive presente na reunião indicada, nem estava no concelho nesse dia.
  Não sou assessor, nem adjunto, nem secretário da Srª Presidente da Câmara, assim como também não sou de nenhum vereador.
  Não tenho qualquer avença com a Câmara, nem pretendo vir a ter.
  Tenho assistido a algumas reuniões de Câmara, na qualidade de público e quero continuar a assistir porque sou eleito na Assembleia Municipal e, pretendo estar informado sobre matérias que sejam enviadas a esse mesmo órgão.
  Já almoço com a minha amiga e camarada Mariana Chilra, agora Presidente da autarquia, há muitos anos, em família e num grupo de amigos e, quero manter essa tradição.
  A nossa amizade resulta de sermos naturais da mesma terra (Rosário) e de nos conhecermos desde a nossa existência e, embora em segundo  grau, ainda somos família.
  Penso ter esclarecido todos os colaboradores e intervenientes do artigo em causa.

  Com
os melhores cumprimentos


  José Rasteiro


Realizou-se ontem em Montemor o Novo a Procissão do Senhor dos Passos, acompanhada por significativo número de fiéis.
Principalmente para os nossos seguidores Montemorenses e todos aqueles que se encontram longe da sua terra aqui lhes deixo uma pequena reportagem fotográfica.