segunda-feira, 15 de outubro de 2018

BOAS E MÁS NOTÍCIAS


BOA NOTÍCIA
Os trabalhadores da extração das pedreiras vão ter acesso a um regime especial de atribuição de pensão de invalidez e velhice.
A medida terá sido acordada entre o Bloco de Esquerda e o Governo do PS na negociação do Orçamento do Estado para 2019.

A novidade é dada hoje pela dirigente bloquista Maria Helena Figueiredo na sua crónica de opinião na DianaFM.
“Não quero deixar de fazer referência ao acordo alcançado com o Governo em matéria de importância para o para o nosso distrito, especialmente para Borba, Estremoz e Vila Viçosa”, afirma.
“Para os trabalhadores da extração nas pedreiras, o Bloco de Esquerda conseguiu acordar com o Governo um alargamento do regime especial de acesso as pensões de invalidez e de velhice até agora só beneficiavam os trabalhadores do interior das minas, reduzindo a idade normal da pensão de velhice em 1 ano por cada dois de serviço efectivo de trabalho na extração da pedra, tornando-lhes aplicável o Decreto-Lei nº 195/95”, acrescenta.

MÁ NOTÍCIA
O teto de uma das salas do Convento da Saudação, em Montemor-o-Novo, desabou este fim-de-semana devido ao mau tempo.
O convento situado no interior do Castelo de Montemor-o-Novo acolhe O Espaço do Tempo, do coreógrafo Rui Horta.
Nas redes sociais, Rui Horta escreveu foi “um dia triste” e que não queria que “chegasse e chegou”.
“Um dia que marcará para sempre o nosso desespero e impotência, pondo a nu a fragilidade da Cultura no nosso país”, afirma o coreógrafo.
“O buraco no tecto do Convento da Saudação é a metáfora clara para o desprezo a que foi entregue a cultura em Portugal”, acrescenta.
O Convento de Nossa Senhora da Saudação pertenceu à Ordem Dominicana e acolheu sempre grande número de religiosas, até que, no século XIX, foi ocupado pelo Estado, que aí instalou um asilo (permaneceu até aos anos 60 do século XX).
Fonte:  http //www.dianafm.com

CRONICA DE OPINIÃO TRANSMITIDA HOJE NA DIANA/FM


MARIA HELENA FIGUEIREDO
              ORÇAMENTO DE ESTADO: QUEM PORFIA…
Hoje o Governo faz a entrega da proposta de Orçamento de Estado na Assembleia.
Um orçamento cuja negociação começou tarde e que exigiu um esforço acrescido de negociação nos últimos dias.
Não é seguramente o Orçamento que o Bloco de Esquerda apresentaria se fosse Governo, um orçamento com objectivo de deficit 0 quando tanto há por fazer e por cumprir no Serviço Nacional de Saúde ou na Escola Pública.
Mas as negociações reflectem sempre o peso específico de cada Partido e também a capacidade de negociar e a firmeza de quem negoceia. E por isso, o Bloco de Esquerda não abriu mão até ao ultimo minuto de forçar os acordos que permitissem melhorar a vida e repor a justiça de quem trabalha e desconta há muitos anos.
Por isso, uma das prioridade acabar com os cortes nas reformas de quem tem 60 anos e desconta há 40.
Em 2019 acaba o factor de sustentabilidade nas reformas para todas as pessoas com 60 anos de idade e 40 anos de descontos. É um corte de 14,78% que desaparece continuando a fazer justiça àqueles que nos últimos anos viram tantos dos seus direitos cortados.
No que toca ao ensino superior, Portugal é um dos países da União Europeia e da OCDE com propinas mais altas. Nestas negociações com o Governo negociamos uma redução significativa da propina máxima, que dos actuais 1068 euros baixará para 856 euros no próximo ano lectivo de 2019/2020, o que se traduz numa redução do actual máximo em 212 euros.
Ainda assim, o Bloco não abdica e continuará a lutar por um ensino superior público e gratuito.
Outro resultado importante da negociação do Bloco de Esquerda com o Governo foi o corte na factura da luz, uma das contas mais pesadas para as famílias. O corte rondará os 5% , o que foi conseguido através de um conjunto de medidas que somadas permitem esse corte. Não é uma redução directa mas espera-se que da soma dessas medidas se atinja esse valor de corte.
A cultura tem sido dos sectores que mais sofreu com as politicas austeritárias e por isso, indo de encontro ao que o sector tem vindo a pedir, o Bloco fechou com o Governo a redução do IVA dos espectáculos para 6%, com execpção dos espectáculos tauromáquicos. Cremos que este é um Importante incentivo para a cultura.
Quando faltam casas a preços acessíveis e a resposta pública a habitação é insuficiente, é preciso intervir nesta área. Por isso o Bloco fechou com o Governo o fim do limite do endividamento das autarquias para investimento em habitação pública. Esta medida permitirá o relançamento do investimento em habitação por parte de muitas autarquias induzindo também estímulos na actividade da construção, que foi tão afectada nos últimos anos.
Foi também fechado o alargamento do subsidio social de desemprego para quem ficou desempregado com 52 anos de idade ou mais. Pretende-se agilizar o acesso a este subsidio para os desempregados de longa duração que não podem receber já subsídio de desemprego e não conseguem aceder ao subsidio social de desemprego por terem rendimentos superiores a 343,12 por membro do agregado familiar.
E para concluir não quero deixar de fazer referencia ao acordo alcançado com o Governo em matéria de importância para o para o nosso distrito, especialmente para Borba, Estremoz e Vila Viçosa.
Para os trabalhadores da extração nas pedreiras o Bloco de Esquerda conseguiu acordar com o Governo um alargamento do regime especial de acesso as pensões de invalidez e de velhice até agora só beneficiavam os trabalhadores do interior das minas, reduzindo a idade normal da pensão de velhice em 1 ano por cada dois de serviço efectivo de trabalho na extração da pedra, tornando-lhes aplicável o Decreto-Lei nº 195/95.
Apesar de termos conseguido importantes resultados, esperamos que nas próximas semanas, no Parlamento, o orçamento possa ser melhorado, porque para nós há muito ainda por fazer e a negociação só acaba mesmo no fim.
Como diz o povo, até ao lavar dos cestos é vindima.
Até para a semana!



E O DE JUROMENHA?


ATENTEM BEM NESTA NOTÍCIA E VEJAM LÁ EM QUANTO O ALANDROAL SE DEIXOU ROUBAR…

GENTE DE “PESO” DE VISITA AO ALANDROAL


Os embaixadores da Indonésia, do Uruguai, da Colômbia e do Peru conheceram sábado, dia 13, as potencialidades do concelho de Alandroal.
A visita diplomática foi organizada pela Matriz Portuguesa, uma associação para o desenvolvimento da cultura e do conhecimento, em parceria com António Rato Canhoto e o Município de Alandroal.
Para além da recepção nos Paços do Concelho, o programa incluiu ainda uma visita ao Castelo de Alandroal, uma prova de vinhos na Adega da Herdade das Aldeias, um périplo pela Fortaleza de Juromenha, um passeio de barco no Rio Guadiana e um lanche nas Casas de Juromenha.
Fonte: "Linhas Elvas

NEM SEMPRE...NEM SEMPRE!




domingo, 14 de outubro de 2018

SUCESSO!



MAESTRO: JOSÉ LEITÃO

DESPORTO - RESULTADOS

                                                                                 INATEL  
Barbus 0 -Alandroal United 1
                                                                                 FUTEBOL 
                                                  Distrital Associação Futebol de Évora
Divisão de Elite
Alcáçovas 3 – Monte Trigo 1
Reguengos 3 – Portel 2
Vendas Novas 2  – Lusitano 0
Arcos 0  – Canaviais 1
Calipolense 0 – Viana 1
Juventude 5 – Corval 1
Arraiolos 1 - União Montemor 2.
LIGA AFE
Outeiro 2 – Aguiar 2
Estremoz 2 – Borba 0
Tourega 1 – Santana do Campo 1
Cortiço 4 – Bencatel 4
Oriola 1 – Cabrela 3
Escoural 4 – Valenças 1
INICIADOS
Vendas Novas 5 – Terena 0
G.U.S 1 – Lusitano B 5
                                                   CAMPEONATO DE PORTUGAL – Série E
Redondense 0 – Praiense 1
Moura 2 – Pinhalnovense 1
Ideal 3 – Vidigueira 1.
                                                                                 FUTSAL
G.U.S.  6 – Louletano 5
                                                                                  RugbY
Caldas 21  - Montemor 36


E ACABOU-SE A PRAIA...P´RO ANO HÁ MAIS!



DIA DO SENHOR



IMPRENSA DO ALENTEJO


sexta-feira, 12 de outubro de 2018

PORQUE AMANHÃ NÃO SE TRABALHA VAMOS À TASCA BEBER UM COPO E CANTAR UMAS “CHAPOTAS”….

                                          E DEPOIS VAMOS ABANAR O CAPACETE

SUGESTÕES AL TEJO





A CRONICA DE OPINIÃO TRANSMITIDA HOJE NA RÁDIO DIANA/FM


                                                                                                                 RUI MENDES
                 A QUESTÃO DO AUMENTO DOS SALÁRIOS DA AP
Algumas das propostas que o Governo pretende integrar no OE/2019 vão sendo dadas a conhecer.
Muitas delas eram esperadas. Porque resultam de exigências dos parceiros do Governo, e porque 2019 será ano de eleições. E todos sabemos que para o PS e companhia as eleições importam sobremaneira, não existe quem diga “que se lixem as eleições”. É uma outra cultura.
Prevê o Governo, para 2019, um crescimento económico de 2,2% (FMI estima em 1,8%) e a dívida em 117% do PIB, pese embora nominalmente a divida persista em não descer, ascendia a 249,3 mil milhões em agosto.
Não se porá em causa a justiça dos aumentos. Desde 2009 que a administração pública não tem qualquer aumento salarial, tendo nesse ano sido actualizados os salários em 2,9%. Por sinal também em ano de eleições, e por sinal também governava o PS. Apenas coincidências.
E após 2009 a história é suficientemente conhecida: congelamentos de progressões (ainda se mantendo, umas na sua totalidade e as restantes parcialmente), cortes salariais, congelamento de salários e aumento dos descontos que incidem sobre os salários (IRS, CGA e ADSE).
Paradoxalmente os quadros da administração, o pessoal com maiores qualificações (professores, magistrados, médicos, técnicos superiores, etc) são os grupos profissionais mais penalizados, tendo tido quebras nos salários reais superiores a 20%. Algo que será pouco credível que venham a conseguir recuperar.
Naturalmente que a administração pública será cada vez menos apelativa para os quadros superiores, naturalmente que cada vez mais haverá fuga destes profissionais para o sector privado.
Qualquer aumento que não reponha, pelo menos, o valor da inflação, para que o poder de compra dos salários não continue a degradar-se, terá que ser tido como pura demagogia governativa.
Mário Centeno terá que engolir os sapos que forem necessários. Há tempos atrás era este o ministro que assegurava que a administração pública não teria aumentos em 2019.
Mas ainda assim temos que registar que este Governo promove aumentos salariais em ano eleitoral, não o tendo feitos nos seus primeiros 3 anos de governação, e logo quando a economia dá sinais claros de abrandamento.
Quando Portugal apresenta uma das taxas de crescimento económico mais baixas entre os países que integram a UE, quando o petróleo está em alta, com valor superior a 80 dólares por barril e quando as exportações crescem menos que as importações, provocando desequilíbrios na balança comercial, é que o Governo quer agradar a todos. Digamos que é em contraciclo.
Em boa verdade tudo isto consegue-se dando com uma mão e tirando com uma outra, porque a carga de imposto a que estamos sujeitos é absolutamente colossal. Diga-se que a carga fiscal também está em alta.
É necessário receita fiscal para suportar a despesa. E quando a despesa aumenta mais receita fiscal será necessária.
A euforia só é visível no Governo. Aliás, ainda que os resultados fossem quaisquer outros sempre se veria o Governo em euforia. Faz parte da forma como este Governo faz política.
Governo e parceiros estão empenhados em dar e dar para que o povo lhes retribua em 2019 com votos. As contas far-se-ão depois.
 Até para a semana



DESPORTO NO FIM-DE-SEMANA

                                                                        FUTEBOL                                                                                                                                                   INATEL
Barbus - Alandroal United
                                           EQUIPAS QUE DISPUTAM ESTA SÉRIE 
Grupo B
São Domingos
Barbus / Associação Borba Mais
Alandroal United
Foros da Fonte Seca
Orada
Montoito
Cano
São Romão
                                    Distrital Associação Futebol de Évora 
Divisão de Elite
Alcáçovas – Monte Trigo
Reguengos – Portel
Vendas Novas – Lusitano
Arcos – Canaviais
Calipolense – Viana
Juventude – Corval
Arraiolos - União Montemor.
LIGA AFE
Outeiro – Aguiar
Estremoz – Borba
Tourega – Santana do Campo
Cortiço – Bencatel
Oriola – Cabrela
Escoural – Valenças
INICIADOS
Vendas Novas – Terena
G.U.S – Lusitano.
                                              CAMPEONATO DE PORTUGAL – Série E
Redondense – Praiense
Moura – Pinhalnovense
Ideal – Vidigueira.
                                                                             FUTSAL
G.U.S. – Louletano
                                                                              RugbY
Caldas - Montemor
                                                          DESPORTO PARA TODOS



IMPRENSA REGIONAL


quinta-feira, 11 de outubro de 2018

MERCADO DO ALANDROAL FOI NOTÍCIA NA TVI


Clik na imagem e aguarde.
 Fonte: Facebook C.M.A.

POIS É !


Hiiii…se a moda chega até cá!
Quando as boas práticas vêm de fora !

A CRONICA DE OPINIÃO TRANSMITIDA HOJE NA RÁDIO DIANA/FM


                                                                                                    EDUARDO LUCIANO
        O ÚLTIMO ORÇAMENTO, A MEMÓRIA OU A FALTA DELA
A discussão do Orçamento de Estado tem ocupado uma pequena parte da agenda mediática, mais ocupada com alegados crimes, gastos de um treinador de futebol em alojamento, má utilização de alojamentos atribuídos a militares, a alegada pré falência de um clube de futebol ou se o pasodoble é um estilo musical ofensivo.
Ainda assim, é possível ter algum vislumbre de propostas e críticas ao documento em preparação tomando como base intervenções de responsáveis ministeriais e eventuais fontes próximas de alguém detentor da informação.
Neste processo de pressão e discussão, o PCP assume naturalmente a defesa dos avanços na recuperação de direitos e rendimentos por parte dos trabalhadores, valorizando tudo o que foi alcançado depois dos quatro anos em que a direita cortou de forma cega rendimentos do trabalho e onde se verificaram os maiores atentados contra os serviços públicos.
Assumindo claramente que os grandes problemas estruturais do país se resolvem com uma clara ruptura com as políticas seguidas pelos governos do PS, PSD e CDS, não deixa o PCP de lutar por novos avanços no actual quadro político.
A direita começa a reagir por antecipação, começando desde já a cantar a canção do orçamento eleitoralista pressionando o governo em sentido contrário, pretendendo amarrar as opções tomadas às políticas prosseguidas pelo governo PSD/CDS.
O governo minoritário do PS parece preparar-se para o exercício de, à boleia da pressão da acusação de eleitoralismo, de conter até onde for capaz a justa exigência de inscrever no orçamento de 2019 as propostas que signifiquem um efectivo aprofundamento do caminho dos avanços para uma maior justiça na distribuição da riqueza produzida, um maior investimento no serviço nacional de saúde e na escola pública e uma libertação do dogma da redução do deficit.
Veremos até onde é possível obrigar o governo a ir, porque uma coisa é certa e o histórico dos governos do PS confirma-o: só obrigado pelas circunstâncias não cai no seu caminho natural que é prosseguir com a política que valeu a construção do velho arco da governação.
Já agora deixem-me dizer que não tenho nenhuma opinião sobre acusações sobre supostos crimes por julgar, não me interessa saber onde dorme um treinador de futebol na cidade de Manchester, as contas dos clubes de futebol não me suscitam nenhum tipo de entusiasmo e quanto ao pasodoble… não faz parte das minhas escolhas musicais habituais.
Até para a semana



É AFICIONADO?

         HOJE A RTP1 LEVA-LHE A CASA UMA CORRIDA À ANTIGA PORTUGUESA