segunda-feira, 16 de maio de 2016

O POVO INTERROGA-SE, E COM RAZÃO …

Já lá vão uns largos meses que aqui se alertou para o facto de um muro que delimitava o quintal da Santa Casa da Misericórdia estar em vias de ruir e provocar algum acidente aos utentes que circulavam na via pública.
Tal facto deu azo a que a Santa Casa da Misericórdia e a Camara Municipal estabelecessem um protocolo no qual mediante cedência de algum terreno por parte da Misericórdia a Edilidade se comprometia a construir novo muro. Após cumprimento dos trâmites legais (autorização concedida em Assembleia Geral, ractificada em nova reunião dado erro de calculo na área a ceder) procedeu-se ao derrube do referido muro.
As últimas chuvadas que têm assolado a região e o facto da queda de um muro na localidade onde resido, alertaram-me para o facto de já terem decorridos largos meses em que além do derrube do referido muro nada mais foi acrescentado.
A foto é disso testemunho:
Se a intempérie se prolongar, não haverá o perigo de a terra começar a ceder e acarretar graves prejuízos a todos os moradores dessa rua?
Já agora… que falamos no bem estar da população – para quando uma solução para que o transito seja reposto nas ruas que circundam as obras do novo quartel da G.N.R. ?

Chico Manuel


15 comentários:

Anónimo disse...

Parecem as obras de Santa Engrácia.
O Posto talvez esteja pronto em 2017, ano de eleições.
O muro derrubaram-no e agora alguém que o levante, como se costuma dizer, quem vier atrás que feche a porta.

Anónimo disse...

Já decorreu tempo suficiente para o problema ser solucionado. Algo de anormal se deve ter passado.é uma nódoa que tira brilho aos aarequizes e ao próprio forum.

Anónimo disse...

Algo de anormal se deve ter passado.é uma nódoa que tira brilho aos aarequizes e ao próprio forum.

17 maio, 2016 18:16

Mas quem arranjou os aarequizes e o forum foi o tal que dizem que só fez asneiras e ainda querem que tenha brilho.
Em que ficamos??????

Anónimo disse...

Olhe que a cabeça não serve só para usar chapéu.
O que é que uma coisa tem a ver com a outra?
O "outro" tem nome: é o Senhor João Nabais. Será recordado como o Presidente que deixou obra feita. Duas delas são o arranjo dos arrequizes e o Forum. São bonitas e serão um marco nas estruturas do Alandroal. Ficarão para sempre a fazer parte da paisagem urbana do Alandroal. Agora tudo o resto (gestão, megalomanias, obras inacabadas, etc, são outra coisa que nada tem a ver com considerar "brilhante" estas duas referências da paisagem urbana da Vila do Alandroal.
Uma coisa não tem nada a ver com a outra.

Anónimo disse...

Por falar em fazer obra , já passaram 3 anos e o que fez este executivo?
Vão passar 4 anos a montar e desmontar palcos para as festas.
É disto que o povo gosta.

Anónimo disse...

Vão passar 4 anos a montar e desmontar palcos para as festas.


Festas e poucas e com a qualidade que se tem visto, tudo ao mais alto nível como os celebres encontros de saias, as que vão ser um dia património mundial. Vão é passar 4 anos a dizer que não há dinheiro e que a culpa de não fazerem é dos outros.
E é disso que o povo não gosta.

Anónimo disse...

Serão? recordados porquê? porque deixaram obra feita!!!!!!!!! e foi PÁGA?

Cá das nossas: Diz o pai pró Jaquim. Ouve filho, o pai mandou construir uma vivenda com 20 divisões, piscinas, relvas, rampas, elevadores, garagens, suites, bares ... tudo, mas ... sem saber se vai haver massa pra pagar ou melhor, assinei prá aí uns papéis (a massa ... depois ... há-de vir) entendes?

Só passado tempo (como sempre acontece aos incautos) o Jaquim começou "A SENTIR NA PELE E NO BOLSO" o que herdou.

218 episódio da telenovela.

Laranjas ... azedas.

Boa noite



Anónimo disse...


218 episódio da telenovela.

Laranjas ... azedas.

Boa noite






18 maio, 2016 23:12

Pois, isto das histórias tem que se lhe diga e há muitas histórias diferentes dependem muito do gosto e interesse de quem as conta.
Deixou a sua que pelos vistos é o episódio 218 da telenovela , eu deixo o episódio 219.

Bom dia, Laranjas doces.


Um Avarento tinha enterrado seu pote de ouro num lugar secreto do jardim.
E todos os dias, antes de ir dormir, ia até aquele local, desenterrava o pote e contava cada moeda de ouro para ver se estava tudo lá.
Ocorre que, de tanto repetir aquelas viagens ao mesmo ponto, um Ladrão, que já o observava há bastante tempo, curioso para saber o que o Avarento estava escondendo, veio na calada da noite, e secretamente desenterrou o tesouro levando-o consigo.
Quando o Avarento descobriu sua grande perda, foi tomado de aflição e desespero.
E caindo em prantos, ele gemia e chorava, enquanto puxava os poucos cabelos que ainda lhe restavam, maltratados pela absoluta falta de cuidados, pois nem em sabão gastava.
Alguém que passava pelo local, ao escutar seus lamentos, quis saber o que acontecera.
Meu ouro! Todo o meu ouro..." chorava inconsolável o avarento, "alguém o roubou.

Seu ouro? Ele estava nesse buraco? Porque o colocou aí? Por que não o deixou num lugar seguro, como dentro de casa, onde poderia mais facilmente utilizar quando precisasse comprar alguma coisa?"
"Gastar?" exclamou furioso o Avarento. "Você não sabe o que diz... Ora, eu jamais usaria aquele ouro. Nunca pensei gastar uma peça sequer..."
Então, o estranho pegou uma grande pedra que meteu dentro do buraco vazio.
"Se é esse o caso," ele disse, "enterre então essa pedra. Ela terá o mesmo valor que tinha como o tesouro que perdeu..."

Moral da História:
Uma coisa ou posse como dinheiro só tem valor quando dele fazemos uso...

Anónimo disse...

SEGUNDO OUVI DIZER O PROBLEMA NÃO É DA CÂMARA.
COMO O MURO É JUNTO AO CASTELO TERÁ QUE SER APROVADO PRIMEIRO PELO
IGESPAR.

Francisco Tata disse...

Caro Comentador das 11,25 (agora mesmo), permita-me que o felicite pelo seu comentário.
Quando coloquei a questão era isso mesmo que se pretendia: ESCLARECIMENTOS sobre o motivo do atrazo das obras. Estava longe de imaginar que um assunto que diz respeito às infraestruturas da nossa terra descambasse para o desenterrar do passado e avivasse questões que já há muito deviam estar enterradas. Mas não! Continua o aremesso de pedras como se não tivessem todos telhados de vidro. Assim nunca mais lá vamos e quem paga as favas? O Alandroal...claro!
Com o seu comentário ficamos mais esclarecidos. Pena que a maioria dos habitantes desconheçam esse motivo. Chama-se a isso falta de comunicação. E quando não se comunica gera-se a duvida, a confusão, a desconfiança.
É pena!
Chico Manuel

Anónimo disse...

E A CÂMARA NÃO TINHA OBRIGAÇÃO DE CONSULTAR O IGESPAR ANTES DE FAZER AQUELE BONITO SERVIÇO??

Anónimo disse...

Anónimo Anónimo disse...
SEGUNDO OUVI DIZER O PROBLEMA NÃO É DA CÂMARA.
COMO O MURO É JUNTO AO CASTELO TERÁ QUE SER APROVADO PRIMEIRO PELO
IGESPAR.


Com todo o respeito, o muro já lá estava, qualquer autarca calejado derrubava e arranjava e depois o IGESPAR se por acaso disse-se alguma coisa que o fosse lá deitar abaixo.
Agora assim não vamos a lado nenhum, querem ser tão certos sem mijar fora do penico e depois as coisas ficam paradas, resta saber por quanto tempo. E para derrubar foi preciso aprovação do IGESPAR?
Continuam sem saber como fazer e com uma tremenda falta de coragem que não é admissível a um qualquer Autarca.
Fez de facto muita porcaria e não sou de todo seu defensor, mas se fosse com certo Autarca estava o muro já mais que feito.

Paulo Ribeiro

Anónimo disse...

Paula Ribeira
Atão amandava o muro abaixo, fazia outro (pela opinião que transmite, sabe-se lá como o reconstruiria?) e, se "disse-se alguma coisa que o fosse lá deitar abaixo".
Atão mas isto é assim?
Somos OS DONOS DISTO TUDO?
Escreve, escreve, ameaça, ameaça sob a IGNORÂNCIA dos conteúdos envolventes à classificação do património.
Mas, tome nota na sua agenda: Fácilmente observáveis, na zona envolvente do Castelo foi consentida há muitos anos a colocação de painéis publicitários e, não há muito tempo, tal prática FOI PESADAMENTE CONDICIONADA.
Deduzirá? da proveniência dos condicionamentos?
Dois pesos, duas medidas PARA O ESTRITO CUMPRIMENTO DA LEI?
Não vá por aí, Paula. Violência gera violência (ainda que por escrito transmitida).
Não acredita que o assunto há-de ser resolvido? Eu acredito.
Valha-nos SOBRE TUDO que, sob a sua eminente queda longamente anunciada e adivinhadoura de tantas e tenebrosas mortes, felizmente NÃO se cumpriu o desastre.
Porque a Câmara e a Sta. Casa se entenderam para o evitar.
Tal como com todas as entidades assim deva acontecer e devemos desejar, com tudo o que interesse ao bem estar ... DE TODOS.
Sem violências verbais.

Assim cantarei, até que a Voz me doa.

Boa noite








Anónimo disse...

O Paulo Ribeiro tem toda a rasao, o estado central nem faz nem deixa fazer.
Se já tivessem construido o muro nem o Igespar chegava a dizer nada. Que mal faz o muro ao Castelo ou zona histórica se fosse nem feito e não ferisse com nada à sua volta.
Não há é dinâmica nenhuma por parte das duas instituições envolvidas e aposto que agora vamos ter o espaço assim anos e anos.

Paulo Abelha

Anónimo disse...


Assim cantarei, até que a Voz me doa.

Boa noite


Coitados de nós todos, querem lá ver que tal como os gauleses da aldeia do Asterix temos que amarrar o cantor desafinado que por aqui nos atormenta..
As canções são velhas e a prosa também, será cantor de gregoriano? é que cheira a discurso Papal.

Tem muita razão o comentador Paulo Ribeiro, o Igespar é conhecido por não fazer nem deixar que se faça, são uma cambada de burocratas que só servem para meter problemas onde não existem e agora encontraram os parceiros certos que, também metem problemas onde não os há, possivelmente por motivos diferentes, mas a prática do é para amanhã é a mesma, juntasse a fome com a vontade de comer. A ver vamos quanto tempo vai estar o muro assim, está ali há anos mas agora é que tem que se estudar se compromete a paisagem do castelo, o meio ambiente.
Se são assim tão cumpridores da lei deviam era ter derrubado quando tivessem toda a autorização para mexerem no muro, continuam a não saber fazer as coisas, nem de forma correcta nem de forma menos correcta, gente sem expediente e sem coragem para assumir, não chega a lado nenhum, nem os autarcas.


Em muitas coisas não, a culpa não morre solteira, mas nestes casos volta Nabais, fazes o muro numa semana e depois voltas para a tua vida, e assim se vier o IGESPAR chatear já este executivo fica sem problemas porque a culpa é mais uma vez tua e até pode ir para contencioso, quem foi acusado de centenas de crimes, mais um menos um não tem importância nenhuma, mas fica o muro feito.

Como diz o ditado, quem vos manda sapateiros tentar tocar rabecão.