terça-feira, 17 de março de 2015

III CONCURSO DE POESIA PPULAR DO ALANDROAL

       
                                                                                 MOTE
                                                               Há quem venha ao Alandroal,
                                                               Ver no Alentejo profundo
                                                               O melhor de Portugal,
                                                               Singular em todo o Mundo.

I
Mais um ano se passou
Estamos de novo em festa
Não há outra como esta
E por isso eu cá estou.
Logo que cheguei me cheirou
O cheirinho natural
A caldeta tradicional
Que faz crescer água na boca
Como eu: p´ra comer a sopa
Há quem venha ao Alandroal.

II
É terra simples mas pura
Que mostra sua valia
Na sua gastronomia
E tambem na sua cultura.
Sua tradição perdura
No seu povo tão jucundo
No seu solo tão fecundo
Que faz com que a vida rode
Tudo isto você pode
Ver no Alentejo profundo

III
Caldeta de peixe do rio
De que o povo tanto gosta
Seja inteira uo em posta
Feita por gente com brio
Por cá fiz o meu desvio
Ao fazê-lo não fiz mal
Pois vou comer afinal
O manjar que tanto gosto!
Pois é! afianço e aposto
O melhor de Portugal!

IV
Por terras onde passei
Em várias eu a comi
Mas caldeta como aqi
Confesso nunca encontrei!
De tantas que eu provei
No meu deambular vagabundo
Depois de pensar bem fundo
Eu juro por minha fé
Que esta caldeta é
Singular em todo o Mundo!

Autor: José António Letras Miranda
Rio de Moinhos - Borba
2º lugar III Concurso Poesia C.M.A./ Março 2015


              Não premiada de Manuel Roque (Pseudónimo do n/ Colaborador Cabé)

                                                                        Mote
                                                      Há quem venha ao Alandroal
                                                      Ver no Alentejo profundo,
                                                      O melhor de Portugal,
                                                      Singular em todo o Mundo.

                                                                      Glosas
                                                                           I
                                                         Referida historicamente
                                                         Esta vila do Alentejo…
                                                         Distante da margem do Tejo
                                                         Se estabeleceu sua gente.
                                                         Dizia o povo d’antigamente
                                                         Que seu nome era Landroal,
                                                         De riqueza patrimonial
                                                         A fazer inveja a quem visita…
                                                         Por ser de todas, a mais bonita,
                                                         Há quem venha ao Alandroal.

                                                                            II
                                                          Beleza ímpar nesta viagem
                                                          São os campos na Primavera,
                                                          As flores brotam à tua espera
                                                          Colorindo toda a paisagem.
                                                          Quem aqui vem de passagem
                                                          Por não ser de cá oriundo,
                                                          Sonha a vida num segundo
                                                          Com esses ‘quadros pintados’…
                                                          Vêm de olhares arregalados
                                                          Ver no Alentejo profundo!

                                                                             III
                                                           Também na gastronomia
                                                           A qualidade serve-se à mesa…
                                                           Mãos calejadas e destreza,
                                                           Cozinham qualquer iguaria.
                                                           As sopas que o pobre comia
                                                           Eram a sua refeição habitual,
                                                           Açordas de sabor especial
                                                           Com coentros, ou de poejos…
                                                           Estão nestes simples desejos
                                                           O melhor de Portugal.

                                                                              IV
                                                            Terra de poetas populares
                                                            Reconhecidos p’lo seu valor,
                                                            Constroem com muito amor
                                                            As décimas por estes lugares.
                                                            Se com atenção escutares
                                                            Os versos que tocam fundo,
                                                            Perceberás como é rotundo
                                                            Ouvir as vozes harmoniosas…
                                                            Esse poema de quatro glosas
                                                            Singular em todo o Mundo!

Manuel Roque



5 comentários:

Anónimo disse...

Estas últimas foi as que gostei mais.

Anónimo disse...

Como antigo júri em concurso de poesia popular, não posso deixar passar esta oportunidade para dizer o que penso sobre o assunto. Para mim, sem qualquer hesitação, as décimas melhor construídas das que li até agora são as de Manuel Roque (Cabé). Elas contém tudo o que as outras não conseguem atingir, só não percebe isso quem pouco entende deste género de poesia popular. Se as próximas décimas que vierem a ser publicadas forem superiores às de Manuel Roque, cá estarei para comentar e dizer de minha justiça justiça. Deixo a seguinte pergunta aos comentadores e demais pessoas: porque será que três pessoas que compõe o júri não perceberam o que era evidente?

Anónimo disse...

O comentador disse:
"Como antigo júri em concurso de poesia popular"
Eu também já fui júri e fiz avaliações enquanto tal.
Porém Deus me livre de vir a público fazer avaliações - ainda por cima anónimas - em detrimento de qualquer júri.
O caso de já ter sido júri, - se é que o foi o que duvido - não lhe dá o direito de passar atestados de incompetência a outros júris.
É no mínimo uma falta de respeito por quem se tem prestado a colaborar com isenção e seriedade.
Boa noite a todos os poetas, aos demais leitores e ainda também ao "júri", dos júris.

Francisco Tata disse...

Apoiado!

Anónimo disse...

O comentário Ditado às 20:01, contendo MONTANHAS de malvadez, pretendeu simultâneamente "isolar" o EXCELENTE trabalho de Manuel Roque e, denegrir o trabalho e a participação dos restantes poetas POPULARES.

Não o conseguiu e, não o vai conseguir.

EXCELENTE, SÉRIA e HONESTA a resposta do comentarista das 21:05.

Sr. Francisco Manuel. Aquilo tem um nome. Terrorismo verbal e predador.

Não quanto a Manuel Roque, DE TODO.

Mas quanto "aos rodeios".

Ditando "vaidoso" (o comentário) assim se exprime: AS TRÊS PESSOAS QUE COMPÕEM (ou compuseram?) O JÚRI NÃO PERCEBERAM O QUE ERA EVIDENTE.

E.L.E é que sabe tudo e de tudo, mais do que qualquer júri porque ... FOI ANTIGO JÚRI.

Inimaginável

Como amanhã se celebra o DIA DO PAI

...perdoai-lhes pai porque não sabem o que fazem (e escrevem).

PAI