quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

ALANDROAL HISTÓRICO

Quando aqui demos conhecimento do início das obras de requalificação do novo Posto da GNR (antigo Posto da G.F.), em comentário, o nosso amigo Cabé deu-nos conhecimento do achado de várias Peças Arqueológicos encontradas durante as escavações, comentário a que tambem foi dado o devido destaque.
Agora, e graças à amabilidade do nosso amigo António Jeremias que nos permitiu a divulgação das fotografias das Peças encontradas podemos dá-las a conhecer.
Tratam-se de Aras Votivas ao Deus Endóvelico, e que mereceram por parte da Drª Conceição Roque, Arqueóloga, o seguinte comentário:
As duas inscrições, agora reencontradas, foram descritas e publicadas pelo Prof. José d`Encarnação nas " Inscrições romanas do conventus pacensis" (1986), a sua tese de doutoramento. Quando ele as viu estavam nas paredes do castelo do Alandroal, no entanto, na sua decrição, não refere exactamente em que local. Alguns anos depois são dadas como desaparecidas, sem que se saiba quando, nem quais as motivações para tal.
Este "achado" é, com certeza, um motivo de grande alegria, para o Alandroal e para a Arqueologia em geral.






 Obs: Cada vez se justifica mais a abertura de um museu arqueológico, dedicado ao deus Endóvelico no Concelho do Alandroal (digo eu!)

6 comentários:

Anónimo disse...



OBS.


Francisco Manuel


Afinal estamos a falar do Alandroal e dos seus monumentos históricos ou pré históricos?


M.S.


ANB

Francisco Tata disse...

Se o meu amigo ANB diz que são pré históricos é porque assim eu os deveria ter designado. No entanto os fracos conhecimentos deste escriba nesta matéria levaram-no a designar a postagem como "ALANDROAL HISTÓRICO"- na medida em que são objectos que fazem parte da história do Alandroal.

Anónimo disse...

Senhor Francisco Manuel

Sobre o cabeçalho que dá título à notícia, estes elementos são de época histórica.

O que distingue a pré-história da história é a escrita, como se sabe.

Um abraço

Anónimo disse...

Francisco, quero apenas fazer uma rectificação, depois de falar com o Professor José d`Encarnação fiquei a saber que afinal estas inscrições não estavam nas paredes do castelo quando ele as viu ( em 1980/81), mas sim no chão, junto a outros elementos arquitectónicos, incluindo o calvário - três cruzes- retirado, este sim, das muralhas, aquando das obras da DGEMN.

Anónimo disse...

Francisco, esqueci-me de assinar o meu comentário (20:11), quis apenas corrigir a informação que dei na altura em que "redescobrimos" as inscrições.
E sim, estes elementos são documentos históricos.
Conceição Roque

Anónimo disse...

raramente vi uma capacidade de síntese tão grande como a do comentário das 19;34 - 11 fevereiro 2015.