sexta-feira, 15 de maio de 2015

A TRISTE REALIDADE

         DESEMPREGO NO ALENTEJO – DISTRITO DE ÉVORA

18 comentários:

Anónimo disse...

Estes dados estão completamente mal ou querem atirar areia para os olhos das pessoas, podem meter desempregados que estão inscritos no centro de emprego, porque muito já nem renovam a inscrição porque o centro de emprego não arranja emprego para ninguém. Só para se dar o exemplo há um concurso a decorrer na câmara e concorreram 600 pessoas, por isso não atirem areia para os olhos das pessoas...

Francisco Tata disse...

Bem se estão mal a culpa é do Instituto de Emprego e Formação Profissional responsável pela divulgação dos dados.
O caso de haver mais de 600 concorrentes ao concurso da Camara não justifica o número de desempregados no Concelho, pois sei de fonte segura que a maioria não reside no Concelho.
O que reforça o título « Triste realidade»

Carlos Damas disse...

Eu sou um dos que consideram empregado e não estou, mas não mourrro à fome

Anónimo disse...

Nós sabemos bem que a baixa no desemprego só existe pela viciação dos números.

Anónimo disse...

eu por mim falo já sai do pais já passa de dois anos eu e toda a minha familia mas nos censos se calhar contamos como habitantes do concelho mas para desempregados eu e a minha mulher já nAo fazemos parte da lista está tudo a favor destes numeros.

Anónimo disse...

Os do concelho estão enganados de certesa, com o actual executivo as coisas tem vindo a piorar cada vez mais.
É um concelho completamente parado no tempo.
Um sacaio preocupado

Anónimo disse...

VICIAÇÃO DOS NÚMEROS

Sem tirar nem pôr.

É um esquema (mais um, enganador) utilizado pelo IEFP no tempo deste e de outros governos.

Durante cerca de 25 décadas foram póques, apoios aos contratos, reduções de taxas "previdenciais", ó tê eles, ocupações temporárias, etc., etc..

Agora são os cê mais, os estágios (vários estágios), as compensações contratuais,etc., etc..

Uma bagunçada que nem ELES (governos de 40 anos) sabem onde estão metidos e meteram UM MILHÃO E MEIO DE DESEMPREGADOS.

Nós sabemos? Quantos sabemos e tem a exacta noção dos reflexos na nossa sociedade desta HORRÍVEL, TENEBROSA e ... FUTURA SITUAÇÃO?

Sendo mais TENEBROSA a inconsciência reinante sobre ... O FUTURO.

Cuidem-se e bem OS MAIS NOVOS.

Esta terrível situação que LHES FOI CRIADA não se resolve com mais duas ou três cervejas ... na esplanada E Á CUSTA DOS PAIS.

Acordem enquanto é tempo.

Segismundo Nepomuceno

Anónimo disse...

As coisas!!!!!!!!! tem vindo a piorar com este executivo?????????????

Esta calamidade Nacional, Europeia e Mundial piorou com este executivo?

A calamidade do desemprego que se abateu sobre nós e principalmente sobre OS MAIS NOVOS não pode associar-se a gestões autárquicas, tenham elas sido dos quadrantes políticos que foram, e são.

As consequências deste desastre humano "por alguns desconhecidas", VÃO ser muito, muito mais profundas.

Mas, com perplexidade, interrogo-me: Que evolução "para o conhecimento" DAS COISAS!!!!!! tem havido neste País para que o senhor comentarista UTILIZE tão descuidados? patamares do desconhecimento?

Coisa tão estranha............

Bons sonhos

Anónimo disse...

Triste realidade é que pensa que só a câmara é que tem que dar trabalho as pessoas .....que mal habituados que esta gente está

Anónimo disse...

" Anónimo disse...
Triste realidade é que pensa que só a câmara é que tem que dar trabalho as pessoas"

Com tanta regalia quem é que não quer um trabalho na câmara??????
Eu vivo em Terena, trabalho em Vila Viçosa e tenho que levar o meu carro e pagar do meu bolso, não tenho quem me venha buscar á porta para ir trabalhar, ou é alguma mentira o que estou a dizer??????

Anónimo disse...

Tantas regalias???? Então mas o facto de haver transporte para muitos dos trabalhadores que ganham o ordenado mínimo é muita regalia ou é a única explique-se lá em relação às outras......???????????????

Anónimo disse...

“Triste realidade é que pensa que só a câmara é que tem que dar trabalho as pessoas.....que mal habituados que esta gente está.”!
17 maio, 2015 08:37
Pegando neste comentário, apraz-me dizer o seguinte:
A Câmara e os executivos camarários de ontem e de hoje não dão trabalho aos seus munícipes se não proporcionarem emprego. Quero eu dizer com isto que a Câmara, tal como muitas das instituições, disponibilizam no seu orçamento anual, verbas que são utilizadas para a comparticipação em programas de apoio ao (desemprego, ao apoio social proporcionando durante um período de tempo, ocupação aos seus munícipes que de acordo com a sua situação se encontram inscritos nos referidos programas. Assim temos neste momento, e em anteriores momentos, a ideia de que a Câmara dá emprego e que muita gente trabalha na Câmara. A questão de muita gente lá trabalhar é outra, dependente da relação do número de indivíduos que pertencem aos quadros camarários, e ao número de população residente, por exemplo. Depois temos a adequação dos quadros às verdadeiras necessidades do concelho, sendo esta uma outra questão e bem pertinente. Levantam-se ainda muitas e muitas questões que terão de ser abordadas de forma concreta e realista porque, o mundo do trabalho está a mudar e cada dia, cada mês, cada ano temos de analisar o trabalho de forma diferente, estando completamente ultrapassados as fórmulas e abordagens existentes, nas instituições governamentais.
Estamos na viragem mundial de um novo paradigma no / do trabalho e corremos o risco de nos perdermos no passado, sem visão no futuro. Muito mais “nos interiores” de todos os países, nos locais longe dos centros de decisão, que se perdem e ocupam em poderes pessoais, institucionais, partidários e de movimentos, travando pequenas lutas por pequeninos interesses, com objetivos num futuro a curto prazo (eleitoralista sobretudo), sem prevenções nem previsões.
O resultado de anos e anos de prestação de trabalho em programas, assumidos como forma de emprego, na câmara, num concelho, neste concelho, não melhora, nem beneficia as pessoas, perlonga um estado de dependência do município, ao arbítrio de quem detém o poder, sem melhorar em nada esta realidade de impasse em que nos deixaram e continuam a deixar. Sem políticas para fazer das oportunidades, realidades de emprego de fixação, sobretudo dos jovens, fica o vazio deixado pela sangria do desemprego, difícil será fugirmos aos programas e números do governo que nos utiliza e que nos manipula.

Anónimo disse...

Anónimo Anónimo disse...
Tantas regalias???? Então mas o facto de haver transporte para muitos dos trabalhadores que ganham o ordenado mínimo é muita regalia ou é a única explique-se lá em relação às outras......???????????????

18 maio, 2015 14:04

MAS ONDE É QUE QUER CHEGAR ?????
ENTÃO E AS MUITAS PESSOAS DO PAÍS E DO CONCELHO QUE TAMBÉM GANHAM O ORDENADO MÍNIMO E ATÉ MENOS QUE ISSO E TEM QUE PAGAR OS SEUS TRANSPORTES PARA OS LOCAIS DE TRABALHO, TAMBÉM AQUI SÓ FALO DE MENOS UMA REGALIA QUE NALGUNS CASOS É METADE DO QUE AS PESSOAS GANHAM, COMO FICAMOS?????EXPLIQUE-SE LÁ ????

Anónimo disse...

COMO FICAMOS??? EXPLIQUE-SE "CÁ"???

A SEGUIR-SE O DITADOR PENSAMENTO!!!!! DO SEU COMENTÁRIO - ALVEJANDO QUEM AUFERE ALGUMAS MAIS POUCAS migalhas - TODOS IRIAM FICAR ... MUITO MELHOR.
ESTES E OS OUTROS!!!

Incomode-se mais com o que o FERNANDINHO PINTO da tap recebe (LÍQUIDO) mensalmente e, já agora, COM QUEM LHE ARRANJOU O TACHO

Coitada da Matemática





Anónimo disse...

Incomode-se mais com o que o FERNANDINHO PINTO da tap recebe (LÍQUIDO) mensalmente e, já agora, COM QUEM LHE ARRANJOU O TACHO

Coitada da Matemática





20 maio, 2015 00:24


Pois é, TACHOS é coisa que sempre existiu no nosso Município e que pelos vistos tem continuidades, nesse especto não vi diferenças nenhumas nos variados executivos de diferentes cores, todos iguais em relação a TACHOS.
Como se vê caro comentador, não temos que nos preocupar com o FERNANDINHO PINTO da TAP, porque embora noutra escala e noutra dimensão, os TACHOS bem renumerados de gente que nada acrescenta ao nosso Município, continuam, são reais, e estão aqui ao lado da nossa porta, confesso que esses TACHOS me dizem muito mais que os da TAP ou qualquer outra instituição Nacional.
São tão bons os ditos empregos que nem tem necessidade de utilizar o transporte gratuito do Município, dá perfeitamente para se andar em carro particular.
Mas é claro que o comentador não enxerga estas coisas, é mais fácil acusar os outros de TACHISTAS e fechar os olhos à nossa realidade.

E já agora, quem é que lhe arranjou o seu TACHO????

Perguntar não ofende.


Anónimo disse...

A SEGUIR-SE O DITADOR PENSAMENTO!!!!! DO SEU COMENTÁRIO - ALVEJANDO QUEM AUFERE ALGUMAS MAIS POUCAS migalhas - TODOS IRIAM FICAR ... MUITO MELHOR.
ESTES E OS OUTROS!!!

Caro comentador, eu acho que a sua resposta ao comentador acima tem alguma razão de ser mas o amigo ou amiga não está a ver a coisa na mesma perspetiva de outra boa gente que aqui comenta.
Ainda bem que há trabalhadores que tem algumas regalias e que ainda as conseguem manter, pois como sabemos estão a tirar tudo à classe trabalhadora, eu não sou contra que os trabalhadores do Município do Alandroal ainda tenham transporte gratuito, mas vamos lá analisar as coisas, pode o Município do Alandroal suportar esse custo neste momento???Não deveria ser canalizado para coisas mais prioritárias o dinheiro que se gasta em transportes com os funcionários????
Não pagamos todas as taxas camarárias no escalão mais caro do País?
Não nos foi aumentada a água e todas as licenças camarárias?
Pois é, se os empregados do Município não tivessem transporte gratuitos se calhar já não havia necessidade de todos estes aumentos, trata-se aqui de se beneficiarem uns Munícipes e prejudicarem todos os outros.
Temos um Município endividado com a SRA. Presidente a dar o exemplo de não utilizar o carro do Município a não ser em serviço, então venham mais exemplos de toda a gente, é que não se compreende nem se entende que não haja dinheiro para produtos essenciais para os trabalhadores poderem trabalhar, como cimento, areia para obras e muitas outras coisas e continuar a haver extras e regalias seja para quem for.
O Município do Alandroal existe para o desenvolvimento de todo o Concelho e para resolver os problemas de todas as pessoas que nele vivem, ou é um centro de emprego que beneficia de forma especial de quem nele trabalha?
Isto dos sacrifícios serem só de uns tem sido a política do PASSOS COELHO, já chega, vamos lá dividir o mal por todos porque isto de haver Munícipes de primeira e de segunda não fica bem a um Município da CDU.

Pastor reformado

Anónimo disse...

Todos iguais?

Se fossemos todos iguais trabalhávamos todos 40h/semana.

Anónimo disse...

Eu trabalho e sempre trabalhei mais que 40h semanais e não me queixo até gosto.
E o comentador trabalha 40 h, ou é só conversa.
Volta NABAIS estás perdoado que isto é só gente incompetente e que trabalha muito.